Início » Esquerda esboça aliança e construção de frente – Análise Arko
NotíciasPolítica

Esquerda esboça aliança e construção de frente – Análise Arko

A+A-
Reset

As direções nacionais de PT, PSB, PCdoB, PDT, PSOL, PCB, UP e Rede construíram uma frente de esquerda para o segundo turno das eleições municipais em São Paulo, Porto Alegre, Vitória, Fortaleza e Belém.

Em São Paulo, os partidos fizeram um ato de apoio à candidatura de Guilherme Boulos (PSOL). Porém, o fato de o ex-governador Márcio França (PSB) resistir a aderir a Boulos no segundo turno, tende a prejudicar a transferência de votos de França para ele.

Em Porto Alegre, também houve prejuízos. Embora PDT, PSOL, Rede, PCB e UP tenham aderido à candidatura de Manuela D’Ávila (PCdoB), apoiada pelo PT desde o primeiro turno, o diretório municipal do PSB recebeu o aval do diretório nacional e fechou com Sebastião Melo (MDB) no segundo turno.

Em Fortaleza, a frente de esquerda estará com José Sarto (PDT) contra Capitão Wagner (PROS). Em Vitória, a esquerda se uniu a João Coser (PT) contra o Delegado Pazzolini (Republicanos). E, em Belém, o PSB, único partido que não apoiava Edmilson Rodrigues (PSOL), anunciou seu apoio no segundo turno.

Em Recife, onde o segundo turno ocorre entre dois nomes de esquerda – João Campos (PSB) e Marília Arraes (PT) –, a reprodução da frente de esquerda ficou prejudicada.

Saiba mais:

Apesar de representar um avanço em termos de construção política, a decisão de Márcio França de não apoiar Boulos em São Paulo e a determinação do PSB de Porto Alegre de não apoiar Manuela D’Ávila, sugere que a esquerda segue dividida. Dos candidatos em que a frente foi construída, três têm chance de vencer: José Sarto, em Fortaleza; João Coser, em Vitória; e Edmilson Rodrigues, em Belém. Em Recife, Marília Arraes é favorita.

A aliança entre as esquerdas em cinco capitais, em que pesem as defecções em São Paulo e Porto Alegre, indica que o bolsonarismo pode representar um polo unificador do campo progressista. Porém, ao projetarmos 2022, novamente há a possibilidade de as esquerdas estarem divididas. O PDT tem Ciro Gomes como pré-candidato. O PCdoB promete lançar o governador do Maranhão, Flávio Dino. O PSOL sempre costuma lançar candidatura própria, assim como o PT. O PSB, sem um nome nacional desde a morte precoce do ex-governador Eduardo Campos, deve caminhar com Ciro.


*Análise Arko – Esta coluna é dedicada a notas de análise do cenário político produzidas por especialistas da Arko Advice. Tanto as avaliações como as informações exclusivas são enviadas primeiro aos assinantes. www.arkoadvice.com.br

Usamos cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Ao clicar em "Aceitar", você concorda com o uso de cookies. Aceitar Saiba mais

-
00:00
00:00
Update Required Flash plugin
-
00:00
00:00