Bolsonaro
Foto: Alan Santos/PR

Em entrevista concedida à Rádio Gaúcha, de Porto Alegre (RS), na última sexta-feira (17), o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou que a sua relação com o governador Tarcísio de Freitas (Republicanos) está estremecida e criticou a postura política do seu ex-ministro.

Ao comentar a relação com Tarcísio, Bolsonaro declarou que “não, não está tudo certo. Eu não mando no Tarcísio. É um baita de um gestor. Politicamente, dá suas escorregadas”. As divergências entre Bolsonaro e Tarcísio tiveram início durante a votação da reforma tributária na Câmara, quando o apoio de Tarcísio à proposta desagradou ao ex-presidente.

Mesmo reconhecendo que o governador depende do governo federal e não pode se afastar, Jair Bolsonaro declarou que “jamais faria certas coisas que ele (Tarcísio) faz com a esquerda”.

Questionado sobre a foto tirada por Tarcísio de Freitas ao lado do ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT), Bolsonaro declarou que “eu não tiraria. Aí eu sou radical. O que que eu tenho com o Haddad? O que que eu tenho com o pior prefeito da história de São Paulo? Eu fiz minha parte e tentei derrubar a reforma tributária no Senado”.

Leia mais! Reforma tributária: objetivo é aprovar o texto como veio do Senado, afirma Saullo Vianna

Outro episódio que opõem Tarcísio de Freitas e o bolsonarismo ortodoxo envolve o debate da privatização da Sabesp. Recentemente, o apagão que deixou milhões de paulistas sem energia elétrica gerou críticas a Tarcísio. Vale lembrar que a Enel, que fornece energia, foi privatizada em 2018, e hoje Tarcísio trabalha para privatizar a Sabesp, a companhia de saneamento básico.

Fábio Wajngarten, assessor pessoal de Bolsonaro, criticou abertamente nas redes sociais a desestatização da Sabesp Paralelamente, aliados do ex-presidente prometeram levar ao Supremo Tribunal Federal (STF) informações que podem influenciar o ministro André Mendonça a decidir contra a privatização da Sabesp.

Leia mais! Críticas às privatizações – Análise

Mendonça é o relator de uma ação do PSOL sobre o assunto e também teve uma discordância com Tarcísio, por causa de uma indicação para o Tribunal de Contas do Estado (TCE).

Eleição municipal de 2024

No debate da eleição municipal de 2024, Jair Bolsonaro também divergências com o prefeito Ricardo Nunes (MDB), com quem tenta construir uma aliança enquanto o PL aposta em outras alternativas. Paralelamente a isso, o deputado federal Ricardo Salles (PL-SP) tenta construir sua candidatura na capital paulista e conta com a simpatia de Bolsonaro.

Bolsonaro
Ricardo Salles – Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

Apesar desses embates, Tarcísio evita estimular as divergências com o ex-presidente. Recentemente, o governador sancionou um projeto de lei que anistiou multas por falta de uso de máscara durante a pandemia da covid-19, beneficiando Bolsonaro, que tem mais de R$ 1milhão para pagar em multas por ter descumprido a obrigatoriedade de utilização de máscara naquele período.

Autor

  • Carlos Eduardo Bellini Borenstein

    Bacharel em Ciência Política (Ulbra-RS), analista político na Arko Advice. Consultor político e de Marketing Eleitoral (ABCOP) com MBA em Marketing Político (Univ. Cândido Mendes). Cursos em "Nova Cartografia do Poder" (PUC-SP), "WhatsApp em Campanhas Eleitorais" (PUC-RJ), e "Mídias Sociais e Gestão de Campanhas Políticas Digitais" (PUC-RJ).