Presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), se reúne com Ministros e Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco. Ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira e ministro da Economia, Paulo Roberto Nunes Guedes. Foto: Michel Jesus/Câmara dos Deputados

A notícia de que a União precisaria pagar cerca de R$ 90 bilhões em dívidas judiciais se tornou uma pedra no sapato do governo federal, que pretendia lançar, até outubro, a reformulação do programa Bolsa Família. Isso porque existe um limite de gastos que podem ser realizados a cada ano e os precatórios ocupariam todo o espaço livre no orçamento.

No final da tarde de segunda-feira (03), uma força-tarefa de quatro ministros se reuniu com os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG). O objetivo era encontrar uma saída para que o novo bolsa família fosse possível.

Participaram da reunião na residência oficial do Senado: o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira (PP-PI), o ministro da Economia, Paulo Guedes, a ministra da secretaria de governo, Flávia Arruda (PL-DF) e o ministro da Cidadania, João Roma (Republicanos-BA).

De acordo com a Casa Civil, a PEC a ser enviada pelo governo para resolver a alta quantidade de precatórios vai definir regras especiais para os chamados “superprecatórios”, que seriam as dívidas de maior valor. A ideia é permitir o parcelamento de dívidas judiciais acima de R$ 66 milhões.

A medida divide especialistas. Enquanto uns veem a medida como necessária, outros avaliam que seria uma espécie de pedalada fiscal ou um calote institucionalizado.

A PEC também prevê a criação de um fundo, constituído a partir de recursos de alienações de ativos, venda de estatais, dividendos, entre outras fontes de receita. Com ele poderá ser feito o pagamento antecipado dos precatórios parcelados, além de eventuais parcelas extras de programas sociais.

De acordo com a Casa Civil, a mudança não permitirá nenhuma exceção de despesas permanentes e recorrentes ao teto de gastos. Contudo, os pagamentos feitos pelo fundo não se submeteriam às novas regras.

Já sobre o Bolsa Família será instituído por Medida Provisória. Ainda assim, o valor não foi definido.


Cliente Arko fica sabendo primeiro

Assine o Arko Private, serviço Arko para pessoa física, e tenha acesso exclusivo a um canal privado de interatividade e alertas em tempo real, além de relatórios, Lives Exclusivas e eventos especiais com figuras notáveis da nossa rede de contatos.