Início » Governadores defendem reforma administrativa durante evento em Nova Iorque

Governadores defendem reforma administrativa durante evento em Nova Iorque

O projeto de lei da Reforma Administrativa possui o apoio do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira

A+A-
Reset
DestaquePolítica

Durante a LIDE Brazil Investment Forum, que ocorre em Nova Iorque, nos Estados Unidos, os governadores defenderam uma reforma administrativa. O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (União Brasil), afirmou que “ninguém suporta” a estrutura administrativa atual.

Evento busca arrecadar investimentos estrangeiro para o país

Governadores discutem urgência em Reforma Administrativa – Foto: Lide/Divulgação

– Nós, governadores, não damos conta se não houver um passo mais acelerado pelo governo federal – enfatizou Caiado.

Já o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), defendeu que o Congresso Nacional barre a PEC dos Quinquênios, que turbina os salários do Judiciário. O político afirmou que a administração pública precisa atender à população e não às corporações.

– Isso é um desafio que está colocado para nós, porque a gente quer que a sociedade brasileira seja efetivamente atendida pelo dinheiro dos tributos que a população paga – declarou.

O deputado Arthur Maia (União-BA) introduziu o tema no painel legislativo do evento. Segundo o parlamentar, o Plenário votará o texto.

Além disso, o projeto possui o apoio do presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL). Maia cobrou ainda o endereçamento da proposta pelo Executivo, que, segundo ele, não caminha sem a liderança do presidente da República.

Reforma Administrativa

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), prometeu em dezembro do ano passado agilizar a tramitação da reforma administrativa (PEC 32/20).

Nesse sentido, a matéria passou pela aprovação da Comissão de Constituição e Justiça e por uma comissão especial.

Embora a proposta não altere direitos adquiridos dos atuais funcionários públicos, ela enfrenta oposição por potencialmente enfraquecer as associações sindicais dos servidores. A resistência se deve ao desejo dos funcionários de expandir direitos tanto para os atuais quanto para os futuros servidores.

Congresso NacionalInvestimentosO BrasilianistapolíticaReforma Administrativa

Usamos cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Ao clicar em "Aceitar", você concorda com o uso de cookies. Aceitar Saiba mais