Início » Após anúncio do plano, governo busca mostrar unidade
PolíticaPolíticas Públicas

Após anúncio do plano, governo busca mostrar unidade

A+A-
Reset

Um dia após o anúncio do Plano Pró-Brasil, aumentaram os rumores de que haveria dois blocos na Esplanada dos Ministérios: um formado por desenvolvimentistas; outro, por liberais. Por isso o governo buscou logo passar uma mensagem de união, a fim de afastar a ideia de que a equipe econômica estaria insatisfeita com o programa.

Coube ao ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, um dos idealizadores do plano, assumir a dianteira. Ao lado do secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida,o ministro deu uma entrevista ao jornal Valor, na quinta-feira, buscando mostrar que sua pasta está alinhada à da Economia.

Tratava-se de uma resposta ao ministro da Economia, Paulo Guedes, que chamou o Pró-Brasil de “novo PAC”, em referência ao Programa de Aceleração do Crescimento das gestões petistas, que consumiu bilhões do caixa da União.

Na entrevista, Sachsida afirmou que “o alinhamento é completo” e garantiu que sua fala estava em consonância com as ideias de Guedes. “Esse programa não começou hoje. É uma agenda pró-mercado, a mesma que elegeu o presidente Jair Bolsonaro, cuja coluna vertebral é a segurança jurídica”, completou.

Gomes de Freitas disse que os projetos que receberão aportes foram selecionados obedecendo à lógica do “efeito multiplicador” e, na medida do possível, “conversando sobre concessões” com o setor privado. Citou dois casos: lotes de duplicação da BR-381, em Minas, e trechos da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol), na Bahia. Como ambos serão privatizados no futuro, o avanço das obras os tornará mais atrativos.

O ministro acrescentou que a suplementação orçamentária de R$ 2 bilhões por ano, prevista no Pró-Brasil, contemplará 52 obras em rodovias (como a BR-158/MT e a BR-262/MG-ES), dez obras aquaviárias (dragagens em portos e recuperação de hidrovias), cinco intervenções a mais em aeroportos regionais e outras três em novas ferrovias. E reafirmou que “a grande prioridade continua sendo o investimento privado”.

Em maio, o Tribunal de Contas da União (TCU) receberá os estudos para a realização de nova licitação da Via Dutra (Riode Janeiro–São Paulo) e para o leilão da Ferrogrão, ferrovia de 930 quilômetros que liga Sinop (MT)ao porto fluvial de Miritituba (PA).

Usamos cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Ao clicar em "Aceitar", você concorda com o uso de cookies. Aceitar Saiba mais

-
00:00
00:00
Update Required Flash plugin
-
00:00
00:00