Início » Comissão aprova nova regra fiscal sobre tributos imobiliários
DestaqueEconomia
A+A-
Reset

Comissão aprova nova regra fiscal sobre tributos imobiliários

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 584/22 sobre tributos imobiliários. Assim, o texto estabelece que, na execução fiscal essas taxas, havendo dúvida ou contestação em relação à efetiva propriedade do bem, o juiz poderá priorizar a penhora do bem sobre o qual incidiram os tributos.

O texto insere a regra no Código de Processo Civil (Lei 13.105/15). O projeto poderá seguir ao Senado, pois foi analisado em caráter conclusivo. Sobretudo, se houver recurso para votação pelo Plenário da Casa.

Leia mais! Congresso avança na tramitação de MP de isenção para crédito fiscal

Plenário votando projeto sobre tributos imobiliários

Plenário – Foto: Jonas Pereira/Agência Senado

O relator, deputado Jorge Goetten (PL-SC), apresentou parecer favorável ao texto do deputado Augusto Coutinho (Republicanos-PE), com uma emenda. Na proposta inicial, ele estabelecia que a penhora do bem sobre o qual incidiram os tributos deveria ser priorizada. Já a emenda modificou o texto para deixar essa previsão a critério do juiz.

Leia mais! Governo anuncia seguro cambial para investimentos sustentáveis

O deputado Goetten disse que o projeto busca resolver os casos de imóveis em situação irregular, que já foram vendidos a terceiros, mas que não o regularizaram junto ao registro de imóveis. Com isso, procuram se esconder do fisco.

Deputado Jorge Goetten (PL-SC) discursando sobre os tributos imobiliários

Deputado Jorge Goetten (PL-SC) – Foto: divulgação/Câmara dos Deputados

– A situação se agrava quando morre o antigo proprietário. A opção de executar o antigo proprietário ou os sucessores, além de ineficaz, é injusta, pois penaliza quem já não possui, usa ou dispõe do imóvel ou, no caso dos sucessores, quem nunca exerceu qualquer um destes atributos da propriedade – esclareceu Jorge.

– A importância do projeto, portanto, reside em que procura evitar execuções fiscais demoradas, e, especialmente, injustas – pontuou Goetten.

Usamos cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Ao clicar em "Aceitar", você concorda com o uso de cookies. Aceitar Saiba mais

-
00:00
00:00
Update Required Flash plugin
-
00:00
00:00