Início » Multas ambientais caem 70% com greve de servidores. Saiba como vai a negociação

Multas ambientais caem 70% com greve de servidores. Saiba como vai a negociação

Com a greve, o valor total das multas caiu de R$ 1,7 milhões para pouco mais de R$ 500 mil

A+A-
Reset
Bastidores de Brasília

A greve dos servidores de carreiras ambientais levou a uma redução de 70% no valor de multas ambientais no primeiro quadrimestre deste ano, em relação ao mesmo período do ano anterior. O valor total das multas caiu de R$ 1,7 milhões para pouco mais de R$ 500 mil. O levantamento foi feito por servidores do ICMBio, que participam da paralisação de atividades de campo juntamente aos servidores do Ibama e do Ministério do Meio Ambiente.

greve

Foto: Felipe Werneck/Ibama

De acordo com o levantamento, o número de autos de infração registrados no primeiro quadrimestre passou de 1318 em 2023 para 594 em 2024. Já os itens destruídos, a partir de apreensões ligadas ao garimpo ilegal e outras atividades ilícitas, caiu de 1431 para 778.

A negociação da greve dos ambientalistas

Com paralisação que já dura cinco meses, os servidores das carreiras ambientais apresentaram uma contraproposta ao governo para retomar atividades. A categoria não tem executado atividades de campo, inclusive procedimentos dos licenciamentos ambientais. No mês passado, o Ministério da Gestão e Inovação (MGI) apresentou uma proposta, com avanços em relação às propostas anteriores, mas que ainda não atende o que pedem os sindicatos.

Em resposta enviada ao ministério, os servidores renunciam a alguns pontos que constavam nas demandas anteriores. Um dos principais pedidos do sindicato, a equiparação com a remuneração das carreiras de nível superior da Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA), teve flexibilização. Outra demanda central que foi deixada de lado por enquanto foi a criação de uma Gratificação por Atividade de Risco. Os trabalhadores não recuaram, porém, na exigência de pagamento de periculosidade e insalubridade para os servidores ambientais.

Uma nova reunião com o MGI deve ser marcada para que a proposta seja discutida.

Como mostrou O Brasilianista, a paralisação dos servidores do Ibama trava o prosseguimento de empreendimentos nos setores do óleo e gás e mineração. Além disso, a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (ANFAVEA) contabiliza que 47 mil veículos aguardam nos portos pelo recebimento de licença de importação.

bastidores de Brasíliagarimpo ilegalgreveIbamaO Brasilianistapolítica

Usamos cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Ao clicar em "Aceitar", você concorda com o uso de cookies. Aceitar Saiba mais