Início » Governo sob pressão – Análise

Governo sob pressão – Análise

Desde janeiro, a desaprovação do governo cresceu cinco pontos percentuais. No mesmo período, a aprovação caiu quatro pontos

A+A-
Reset

As pesquisas de avaliação do governo Lula têm mostrado um país rachado. A recente sondagem PoderData apontou que 47% dos entrevistados desaprovam o governo. Outros 45% aprovam o presidente. Desde janeiro, a desaprovação cresceu cinco pontos percentuais. No mesmo período, a aprovação caiu quatro pontos.

governo

Foto: Ricardo Stuckert / PR

O crescimento da desaprovação ao governo também é observado na Câmara. De acordo com o instituto Quaest, cresceu de 33% para 42% a desaprovação do governo entre os deputados, na comparação com agosto de 2023. Já a aprovação entre os parlamentares oscilou negativamente de 35% para 33%.

Por ora, não surtiu efeito o pedido feito pelo presidente Lula (PT) aos ministros para que intensificassem a publicidade de suas realizações. Outro aspecto importante é que os resultados positivos na economia também não alteraram o humor dos brasileiros.

Este cenário traz consequências: 1) eleva o custo da governabilidade; 2) reduz o capital político de Lula; 3) fortalece a discussão em torno de uma reforma ministerial, gerando disputas no interior da base aliada; 4) pressiona a articulação política; e 5) intensifica a pressão pelo aumento do gasto público.

Contudo, mesmo com esse ambiente de pressão por todos os lados, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT), segue prestigiado. Haddad é o ministro mais bem avaliado entre os deputados. Segundo o instituto Quaest, 48% dos parlamentares avaliam positivamente o trabalho do ministro da Fazenda, enquanto 29% consideram negativa a sua atuação.

governo

Foto: Diogo Zacarias/MF

Haddad, no entanto, terá que lidar com temas complexos, como a pressão de servidores públicos federais por reajustes salariais, o que poderá desencadear greves. Além disso, já existem estudos indicando a necessidade de uma nova Reforma da Previdência. E há ainda o tema da Reforma Administrativa, que mexe diretamente com os servidores públicos.

Não bastasse isso tudo, os temas fiscais continuam pressionando o governo. A promessa de entregar um déficit zero este ano está cada vez mais distante. A tragédia climática no Rio Grande do Sul provocou desafios adicionais, já que a reconstrução do estado demandará recursos federais bilionários.

A catástrofe gaúcha poderá provocar também um aumento de inflação nos alimentos, impactando diretamente os segmentos de menor renda, principal base eleitoral de Lula.

Usamos cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Ao clicar em "Aceitar", você concorda com o uso de cookies. Aceitar Saiba mais