Início » Desde 1990, SP teve duas “viradas” nas eleições para governador – Por Carlos Eduardo Borenstein
ArtigosDestaqueEleiçõesUrgente

Desde 1990, SP teve duas “viradas” nas eleições para governador – Por Carlos Eduardo Borenstein

A+A-
Reset

A pesquisa realizada pelo Datafolha na semana passada apontou que o ex-prefeito Fernando Haddad (PT) lidera a disputa pelo Palácio dos Bandeirantes e tem uma vaga bem encaminhada no segundo turno. O adversário de Haddad deve sair do embate entre o ex-ministro Tarcísio de Freitas (Republicanos) e o governador de São Paulo (SP) e candidato à reeleição, Rodrigo Garcia (PSDB).

Como a disputa entre Tarcísio e Garcia deve ser acirrada, a tendência é que Haddad termine o primeiro turno na frente, independente de quem venha a ser seu adversário no segundo turno.

Caso esse prognóstico se confirme em outubro, Tarcísio de Freitas ou Rodrigo Garcia teriam que realizar uma “virada” no segundo turno para evitar a vitória de Fernando Haddad. A partir desse prognóstico, é importante observarmos como foram as disputas de segundo turno no estado desde 1990, a primeira disputa para governador que tivemos dois turnos.

Nas últimas oito disputas ao Palácio dos Bandeirantes, tivemos cinco segundos turnos (1990, 1994, 1998, 2002 e 2018). Em duas oportunidades (1990 e 1994), tivemos a chamadas “viradas”, ou seja, o candidato que terminou o primeiro turno em segundo lugar venceu a eleição.

Isso ocorreu com Luiz Antônio Fleury (1990) e Mário Covas (1994). Nos demais segundo turno (1998, 2002 e 2018), o candidato que venceu o primeiro turno, confirmou essa posição no segundo turno (Mário Covas, Geraldo Alckmin e João Doria, respectivamente).

Sobre as disputas de segundo turno, também observa-se que a última vez que tivemos uma “virada” foi no distante ano de 1994.

E nas disputas de 2006, 2010 e 2014, a eleição ao Palácio dos Bandeirantes se definiu em primeiro turno.

ELEIÇÕES 1º TURNO (%) 2º TURNO (%)
1990 Paulo Maluf (PDS): 43,50

Luiz Antônio Fleury (PMDB): 28,17

Mario Covas (PSDB): 12,12

Luiz Antônio Fleury (PMDB): 51,77

Paulo Maluf (PDS): 48,23

1994 Mário Covas (PSDB): 46,84

Francisco Rossi (PDT): 22,23

José Dirceu (PT): 14,86

Mário Covas (PSDB): 56,12

Francisco Rossi (PDT): 43,88

1998 Paulo Maluf (PPB): 44,63

Mario Covas (PSDB) – R: 22,95

Marta Suplicy (PT): 22,51

Mario Covas (PSDB): 55,37

Paulo Maluf (PPB): 44,63

2002 Geraldo Alckmin (PSDB) – R: 38,28

José Genoino (PT): 32,45

Paulo Maluf (PPB): 21,37

Geraldo Alckmin (PSDB): 58,64

José Genoino (PT): 21,37

2006 José Serra (PSDB): 57,93

Aloizio Mercadante (PT): 31,68

Orestes Quércia (PMDB): 4,57

Não teve
2010 Geraldo Alckmin (PSDB): 50,63

Aloizio Mercadante (PT): 35,23

Celso Russomanno (PP): 5,42

Não teve
2014 Geraldo Alckmin (PSDB) – R: 57,31

Paulo Skaf (MDB): 21,53

Alexandre Padilha (PT): 18,22

Não teve
2018 João Doria (PSDB): 31,77

Márcio França (PSB): 21,53

Paulo Skaf (MDB): 21,09

João Doria (PSDB): 51,75

Márcio França (PSB): 48,25

2022* Fernando Haddad (PT): 38

Tarcísio de Freitas (Republicanos): 16

Rodrigo Garcia (PSDB): 11

*OBS: Dados da pesquisa Datafolha

R: Disputava à reeleição

Outro fato a ser observado no histórico das eleições em SP é que dois governadores disputaram à reeleição – Mario Covas (1998) e Geraldo Alckmin (2002 e 2014). Ambos foram reeleitos, porém, apenas Covas conseguiu “virar” a eleição no segundo turno, já que Alckmin, nas duas eleições em que foi reeleito, venceu os dois turnos do pleito.

Usamos cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Ao clicar em "Aceitar", você concorda com o uso de cookies. Aceitar Saiba mais

-
00:00
00:00
Update Required Flash plugin
-
00:00
00:00