Dep. Arthur Lira (PP-AL). Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

O presidente da Câmara, Arthur Lira, afirmou estar “totalmente fora do radar” dar celeridade ao PL 1472 que prevê a criação de uma conta de estabilização para amortecer o preço dos combustíveis. A declaração foi dada nesta quarta-feira (16).

“Não tem essa necessidade àvida. Não vai resolver uma conta de compensação que pode ser melhor estudada, que tem prós e contras”, avaliou Lira.

Por outro lado, como informado pelo O Brasilianista, o projeto que propõe subsídio federal para custear passagens de idosos nos estados, DF e municípios ganhou prioridade. No entanto, o presidente da Câmara ponderou que o projeto, aprovado por unanimidade no Senado, prevê impacto de R$ 5 Bilhões e precisa ser bem discutido. O texto vincula parte dos gastos aos royalties do petróleo. “Os royalties são usados pra tudo. Compensar, subsidiar, essas coisas são finitas”, afirmou.

Lira reconheceu a importância do projeto para desafogar as contas dos municípios que estão, na avaliação dele, “estranguladas”.

“Se os governos dos estados derem suas contribuições para arcarem também com questões da gratuidade, feitas e propostas pelas assembleias legislativas, aí sim temos que fazer uma grande composição para desafogar. Esse é um problema sério de um sistema que hoje é deficitário que pode colapsar as capitais brasileiras”, declarou.

Alta nos combustíveis

Após criticar publicamente, pelas redes sociais, o aumento do preço dos combustíveis definido pela Petrobras, Arthur Lira cobrou uma redução nas tarifas. “É importante que a Petrobras recue do aumento que deu. O dólar está caindo e o barril também. São os dois componentes que fazem a política de preço”, afirmou.

Questionado, Lira disse que não pode fazer uma avaliação da gestão do presidente da estatal, Joaquim Silva e Luna. “Não tenho a visão interna da Petrobras nem relacionamento interno. A única crítica que fiz foi a Petrobras ter dado o aumento do tamanho que deu, de uma só vez”, concluiu.

Colaborou: Marília Ribeiro

Autor

  • Editora-chefe na Arko Advice, desde fevereiro de 2022. Antes, atuou como repórter de política na CNN Brasil. Foi correspondente internacional em Nova Iorque pela Record TV. Atua em redação há 18 anos.