Divulgação/IBGE

Em janeiro de 2022, o volume de vendas do comércio varejista cresceu 0,8% frente ao mês anterior, na série com ajuste sazonal, após recuo de 1,9% em dezembro de 2021. Os dados da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), foram divulgados, nesta quinta-feira (10), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na passagem de dezembro para janeiro, a alta foi puxada por três equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (0,3%), artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria (3,8%) e de outros artigos de uso pessoal e doméstico (9,4%).

No acumulado de 12 meses, o setor teve alta de 1,3%. Na comparação com janeiro do ano passado, no entanto, o varejo recuou 1,9%, a sexta queda consecutiva neste tipo de comparação. Também houve perda de 0,2% na média móvel trimestral.

De dezembro a janeiro, 15 das 27 Unidades da Federação apresentaram resultado positivo, com destaque para: Rio de Janeiro (3%), Alagoas (2,8%) e Pernambuco (2,5%). Por outro lado, pressionando negativamente, figuram 11 das 27 Unidades da Federação, com destaque para Amapá (-3,7%), Rio Grande do Norte (-1,8%) e Amazonas (-1,7%).

Cinco segmentos tiveram resultado negativo: tecidos, vestuário e calçados (-3,9%), livros, jornais, revistas e papelaria (-2%), móveis e eletrodomésticos (-0,6%), combustíveis e lubrificantes (-0,4%) e hiper, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-0,1%).

Por outro lado, tiveram resultados positivos os setores de Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (0,3%), Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria (3,8%), e de Outros artigos de uso pessoal e doméstico (9,4%).

O varejo ampliado, que inclui veículos e materiais de construção, recuou 0,3%, em seu volume de vendas, na passagem de dezembro para janeiro, devido às quedas de veículos, motos, partes e peças (-1,9%) e materiais de construção (-0,3%).

Autor

  • Jornalista pela Universidade Católica de Brasília. Nascida em Brasília-DF, tem passagem como repórter na Rádio Senado. No site O Brasilianista cobre política e economia.