Ex-governador Wilson Witzel. Foto: Imprensa/Governo do Rio de Janeiro

A tarde desta sexta-feira (30), foi marcada pela decisão final sobre o destino político do governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC). O impeachment foi confirmado pelo Tribunal Especial Misto (TEM), que é formado por cinco parlamentares e cinco desembargadores. Eram necessários dois terços dos votos para confirmar o afastamento (7). O voto que completou maioria foi do deputado estadual Alexandre Freitas (Novo).

Ainda será realizada votação para definir se o ex-governador perderá seus direitos políticos pelo prazo de 5 anos.

Witzel foi afastado do cargo em agosto do ano passado após ter sido denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF) por participação em um esquema de desvios de recursos na área da saúde, que seriam aplicados no combate à pandemia de covid-19.

De acordo com a denúncia, o político liderou um esquema em que quatro empresas disputavam o poder no governo estadual. Esses grupos teriam loteado algumas das principais pastas estaduais, inclusive a Secretaria de Saúde, para implementar esquemas que beneficiassem suas empresas.

Saiba mais:

Segundo da história, primeiro no Rio

Wilson Witzel se tornou o primeiro governador do Rio de Janeiro a sofrer impeachment na história do Brasil. Antes dele, só havia sido registrado um outro impeachment de governador: em 1957, a Assembleia Legislativa de Alagoas decidiu pelo afastamento do governador Muniz Falcão.