Foto: Sergio Lima/AFP

Levantamento realizado pela Arko Advice com base nas pesquisas de avaliação do governo Jair Bolsonaro nas 26 capitais aponta que a popularidade do presidente é mais elevada nas regiões Norte e Centro-Oeste.

Conforme podemos observar na tabela a seguir, a avaliação positiva (“ótimo/bom”) de Bolsonaro é de 50% ou mais em três capitais do Norte: Boa Vista, Manaus e Porto Velho. Há ainda nove cidades em que o índice “ótimo/bom” é de 40% ou mais: Cuiabá, Rio Branco, Campo Grande, Goiânia, Palmas, João Pessoa, Maceió, Macapá e Curitiba.

Nota-se que nas três capitais do Centro-Oeste – não há pesquisa Ibope em Brasília (DF) porque não temos eleição municipal – a popularidade de Bolsonaro, assim como no Norte, fica acima da média nacional. Nas 12 capitais em que a avaliação positiva do governo é de 40% ou mais, oito cidades estão localizadas na Região Norte, duas no Nordeste, uma no Sul e outra no Centro-Oeste. Vale registrar que na Região Sudeste a popularidade de Bolsonaro fica abaixo da média nacional (40%).

Em sete capitais a popularidade do presidente está na faixa dos 30%: Natal, Rio de Janeiro, Aracaju, Florianópolis, Vitória e Recife. Três dessas cidades estão no Nordeste; duas, no Sudeste; e uma, no Sul.

E temos sete capitais em que a avaliação positiva de Bolsonaro fica na faixa de 20% ou menos: Belém, Porto Alegre, São Luís, Fortaleza, Teresina, São Paulo e Salvador. Entre essas cidades, quatro estão no Nordeste; uma fica no Sul; outra, no Norte; e outra, no Sudeste.

Por outro lado, a avaliação negativa (“ruim/péssimo”) do governo nas capitais concentra-se, principalmente, em: Salvador (62%); Porto Alegre (50%); São Paulo (48%); Florianópolis (47%); Aracaju, Vitória, Recife e Fortaleza (44%); e Belém (40%). Nas demais capitais, o índice “ruim/péssimo” fica abaixo dos 40%.

Podemos observar ainda que a maior insatisfação com o governo reside nas capitais do Sul, do Sudeste e em parte do Nordeste.

Leia mais:

Por outro lado, o Norte, o Centro-Oeste e uma parte do Nordeste sustentam hoje a popularidade do presidente. Esse resultado pode ser atribuído, particularmente, ao auxílio emergencial. Não por acaso nas capitais das regiões onde o impacto do auxílio é menor, a avaliação negativa ao governo é maior.

Ou seja, temos hoje as capitais do Norte e do Centro-Oeste ao lado de Bolsonaro. Já o Sudeste e o Sul apresentam uma postura mais crítica. O Nordeste se mostra dividido: em João Pessoa, Maceió, Natal, Aracaju e Recife, a popularidade do presidente se situa entre 30% e 40%; já em São Luís, Fortaleza, Teresina e Salvador, a avaliação positiva do governo fica abaixo dos 50%.

Hoje, Bolsonaro conta com uma popularidade média de 35,73% nas capitais, um pouco abaixo dos 40% registrados nacionalmente nas últimas pesquisas divulgadas. A avaliação negativa, por outro lado, é de 36,69%, um pouco acima dos 30% captados nas sondagens nacionais.

Na divisão por regiões, a média da popularidade de Bolsonaro supera seu desempenho nacional nas capitais do Norte e do Centro-Oeste (ver tabela a seguir sobre a média da avaliação do governo por regiões). Entretanto, a média da avaliação negativa do presidente supera o registrado nacionalmente nas capitais das regiões Nordeste, Sudeste e Sul.

*Análise Arko – Esta coluna é dedicada a notas de análise do cenário político produzidas por especialistas da Arko Advice. Tanto as avaliações como as informações exclusivas são enviadas primeiro aos assinantes. www.arkoadvice.com.br