Início » Passos consistentes em direção ao Centrão

Passos consistentes em direção ao Centrão

A+A-
Reset

Levantamento da Arko Advice mostra que, nas últimas semanas, a aproximação do governo com o Centrão tem sido constante. Foram feitas, pelo menos, 17 nomeações de peso ligadas ao grupo em órgãos e empresas diversos, entre os quais a Diretoria de Ações Educacionais do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), a Fundação Nacional de Saúde (Funasa), a Hidrelétrica de Itaipu e a Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS).

Os laços podem ficar mais fortes com a possibilidade de indicações no Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) e no Banco do Nordeste. Mas o que pode estreitar a relação mais ainda é a eventual recriação do Ministério da Segurança Pública.

Na gestão do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro, o presidente Jair Bolsonaro, em uma reunião com governadores, chegou a abordar a ideia. A recriação da pasta desagradou ao então ministro e foi motivo de embate público entre ambos. A recriação do ministério atenderia a demandas do Centrão, de alguns governadores e da bancada da segurança pública no Congresso, conhecida como “bancada da bala”.

A aproximação do governo com o Centrão tem sido positiva para Bolsonaro no sentido de manter a temperatura política relativamente controlada e conter um eventual pedido de impeachment contra ele na Câmara. Mas ainda não tem sido traduzida em votos consistentes a favor do Planalto. Na semana passada, por exemplo, várias matérias de interesse do governo, como medidas provisórias, não foram analisadas.

A aproximação também tem causado constrangimentos ao governo. A Procuradoria-Geral da República denunciou no Supremo Tribunal Federal o deputado federal Arthur Lira (PP-AL), um dos principais líderes do PP e do Centrão no Congresso, por corrupção passiva, em uma investigação da Operação Lava-Jato que apurou pagamento de propina a partir de contratos firmados entre a Petrobras e a construtora Queiroz Galvão. Apesar de o episódio não representar um grande problema para Bolsonaro, mancha a bandeira anticorrupção empunhada por ele em sua campanha, tema já desgastado pela saída de Moro do governo.

Usamos cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Ao clicar em "Aceitar", você concorda com o uso de cookies. Aceitar Saiba mais