Início » Marina Silva defende PL de mercado de carbono após fraude

Marina Silva defende PL de mercado de carbono após fraude

Projeto de lei sobre mercado de carbono deve aumentar segurança na fiscalização dos créditos comercializados

A+A-
Reset

Em evento nesta quarta-feira (5), a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva (Rede), defendeu o PL de regulação do mercado de carbono após questionamento sobre fraude na concessão de crédito de carbono a multinacionais. Nesta manhã, a Polícia Federal (PF) deflagrou a Operação Greenwashing, com 76 mandados de busca e apreensão contra empresários do setor.

Marina Silva defende PL de mercado de carbono

Foto: Filipe Araujo/ MinC

Segundo informações da PF, a ação busca desarticular uma organização criminosa.  A suspeita da PF é de venda de cerca de R$ 180 milhões em crédito de carbono de áreas da União invadidas ilegalmente. Apesar de comentar o assunto, a ministra evitou falar especificamente sobre o caso por ainda não conhecer as informações completas da operação.

— Que bom que elas [operações da PF] estão sendo feitas. — afirmou Marina — Fizemos um esforço junto com o Congresso, sobretudo ali no Senado, com a senadora Leila. Um esforço muito grande, Ministério do Meio Ambiente, Ministério da Fazenda e outros setores do governo. A meta era termos uma lei para regulamentar o mercado de carbono, uma das nossas ambições é que o mercado de carbono brasileiro possa ser confiável, tenha transparência, tenha integridade.

Mercado de carbono é prioridade para governo

De acordo com o ministro da Casa Civil, Rui Costa (PT), a regulação do mercado de carbono é uma das prioridades legislativas do governo. Desde março, está em vigor a Câmara Temática de Agrocarbono Sustentável. Assim, o grupo que reúne 74 representantes dos setores público e privado no âmbito do Ministério da Agricultura e Pecuária discute o mercado de carbono, entre outros temas.

Anteriormente, no ano passado, o Senado aprovou o projeto de lei citado por Marina Silva (PL 412/22). No entanto, o texto sofreu alterações na Câmara dos Deputados e substituição pelo PL 2.148/2015. Agora, ao retornar ao Senado, a proposta estagnou por uma disputa regimental entre deputados e senadores sobre a palavra final do projeto. Inclusive, em maio, a ministra comentou que a demora poderia impactar as exportações do país em um futuro próximo.

Usamos cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Ao clicar em "Aceitar", você concorda com o uso de cookies. Aceitar Saiba mais