Início » Brasil aposta em matriz energética limpa e redução do desmatamento na COP 28
Política

Brasil aposta em matriz energética limpa e redução do desmatamento na COP 28

A+A-
Reset

Às vésperas da 28ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP 28), na segunda-feira (23), o governo apresentou os principais pontos de interesse do Brasil no evento à imprensa nacional e internacional.

Segundo a Secretaria de Comunicação Social (Secom) da Presidência da República, a delegação brasileira apresentará os resultados positivos na redução do desmatamento na Amazônia, que caiu mais de 40% desde janeiro. A sustentabilidade da matriz energética, que possui 48% de fontes renováveis, também será destaque.

Representam o Brasil o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, e diversos ministros, além de representantes de governo, setor privado, academia e sociedade civil. A expectativa é de presença de mais de 138 chefes de Estado e Governo na conferência que ocorre entre 30 de novembro e 12 de dezembro em Dubai, nos Emirados Árabes.

Agenda da COP 28

A agenda de sustentabilidade é uma das prioridades do Governo Federal. O Congresso Nacional, que também possui representantes na comitiva brasileira, trabalha para aprovar medidas da área ambiental antes da realização da COP 28. 

Leia também! COP estimula agenda verde no Legislativo – Análise

Nesse cenário, o Brasil busca resultados significativos este ano para abrir caminhos para a COP 30, em 2025, com sede em Belém do Pará. O secretário de Clima, Energia e Meio Ambiente do Ministério das Relações Exteriores, embaixador André Corrêa do Lago, explicou que uma edição se relaciona à anterior.

COP 28

Briefing para a imprensa nacional e internacional – Foto: Diego Campos/SECOM

“O objetivo principal dessa COP 28 é aprovar o que é conhecido como o Balanço Global do Acordo de Paris. Temos que ter um texto que mostre o que foi feito e o que falta, no contexto dos primeiros oito anos do Acordo. A principal expectativa da COP 29 é definir novo patamar para financiar a ação climática. Depois disso, na COP 30, os países devem apresentar suas novas NDCs”, destacou André Lago. 

Meta ambiental

A Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC, na sigla em inglês) é a meta de cada país para a redução de gases de efeito estufa. Em 2015, os países assinaram um acordo para limitar o aquecimento global a 1,5°C em comparação com os níveis pré-industriais. 

Leia também! Modelo de governança mundial perpetua a desigualdade no mundo, critica Lula

A meta brasileira estabelece a redução de emissões em 48% até 2025 e 53% até 2030, em relação às emissões de 2005. Além disso, em 2023, o Brasil reiterou seu compromisso de alcançar emissões líquidas neutras até 2050. Ou seja, tudo que o país ainda emitir deverá ser compensado com fontes de captura de carbono, como plantio de florestas, recuperação de biomas ou outras tecnologias.

Usamos cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Ao clicar em "Aceitar", você concorda com o uso de cookies. Aceitar Saiba mais

-
00:00
00:00
Update Required Flash plugin
-
00:00
00:00