Início » Saneamento divulga este mês norma sobre resíduos
Notícias

Saneamento divulga este mês norma sobre resíduos

A+A-
Reset

A Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA) pretende publicar este mês sua primeira norma de referência desde que assumiu a função de reguladora federal do saneamento, com a introdução do marco regulatório do setor, em julho do ano passado.

A norma de estreia vai tratar da criação de tarifas ou taxas para a gestão de resíduos sólidos. A lei que conferiu nova atribuição à agência (Lei nº 14.025/20) determina que todos os municípios que ainda não tenham destinação adequada a seus rejeitos passem a cobrar pela prestação de serviços de coleta e tratamento do lixo.

Atualmente, apenas 30% dos municípios brasileiros fazem algum tipo de cobrança. Ainda assim, nem sempre o valor arrecadado cobre as despesas totais da operação. O déficit anual da gestão de resíduos sólidos no país foi estimado em R$ 7,5 bilhões, segundo relatório da agência.

De acordo com o marco regulatório, as prefeituras têm até julho deste ano para apresentar uma proposta de cobrança que garanta a viabilidade econômica dos serviços, sob pena de descumprirem a Lei de Responsabilidade Fiscal.

Para a diretora-presidente da ANA, Christianne Dias Ferreira, o prazo é curto, mas viável: “Em julho completaremos um ano da lei. Ela é muito clara sobre a obrigação de haver uma cobrança pelo serviço. Então, não são três meses de prazo.” Ela reconhece que há desafios na implantação da lei, a começar pela troca de prefeitos no início de 2021. Além disso, existem dificuldades técnicas e políticas na elaboração da proposta.

“É muito complicado, porque a população não está acostumada culturalmente a pagar pelo serviço. Mas o fato de haver uma lei obrigando dá mais conforto, tira um pouco do ônus”, disse Christianne, acrescentando que o governo vem trabalhando em uma cartilha com orientações para a instituição da cobrança.

Leilão da Cedae

O secretário da Casa Civil do governo do Rio de Janeiro, Nicola Miccione, informou que a administração estadual movimenta-se para relicitar ainda este ano a concessão do serviço de distribuição de água no Bloco 3 da área atendida pela Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae). As reuniões começaram na segunda-feira passada, três dias após o leilão de privatização dos serviços da empresa.

A venda da Cedae foi dividida em quatro blocos. Não houve interesse pela disputa do Bloco 3. Agora o governo do estado discute não só a possibilidade de ofertar novamente o bloco, mas a inclusão de mais cidades fluminenses. “Vamos conversar com 20 municípios depois dos estudos feitos”, disse Miccione.

Usamos cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Ao clicar em "Aceitar", você concorda com o uso de cookies. Aceitar Saiba mais

-
00:00
00:00
Update Required Flash plugin
-
00:00
00:00