Início » Precatórios: pagamento eleva déficit para R$ 230,54 bi em 2023
DestaqueEconomia
A+A-
Reset

Precatórios: pagamento eleva déficit para R$ 230,54 bi em 2023

De acordo com o Tesouro Nacional, sem o pagamento dos precatórios, as contas do Governo teriam fechado o ano passado com resultado negativo

Em 2023, a quitação de precatórios fechou o ano com o segundo maior déficit primário desde o início da série histórica. O resultado veio após um acordo do Supremo Tribunal Federal (STF) com o Governo Central, o Tesouro Nacional, a Previdência Social e o Banco Central. No ano passado, o resultado ficou negativo em R$ 230,54 bilhões, só perdendo para 2020, quando o déficit atingiu R$ 743,25 bilhões por causa da pandemia de covid-19.

O déficit primário representa o resultado negativo das contas do governo sem os juros da dívida pública. De acordo com o Tesouro Nacional, sem o pagamento dos precatórios, as contas do Governo Central teriam fechado o ano passado com resultado negativo de R$ 138,1 bilhões. O que equivale a 1,3% do Produto Interno Bruto (PIB). Diante disso, sem o socorro financeiro de cerca de R$ 20 bilhões para estados e municípios, o déficit teria caído para R$ 117,2 bilhões, 1,1% do PIB.

Leia mais! GOVERNO PAGARÁ ATÉ R$ 9.200 EM POUPANÇA PARA ESTUDANTES DE BAIXA RENDA NO ENSINO MÉDIO

Em dezembro, o déficit primário somou R$ 116,15 bilhões, impulsionado pela quitação dos precatórios em atraso. Dívidas do governo com sentença judicial definitiva, os precatórios foram parcelados ou adiados após uma emenda constitucional em 2021. No ano passado, o governo quis quitar a dívida para evitar um passivo de R$ 250 bilhões no fim de 2026.

Precatórios

Déficit primário somou R$ 116,15 bilhões – Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

O déficit de dezembro foi o maior já registrado para o mês desde o início da série histórica, em 1997. Sem os precatórios, informou o Tesouro, o resultado negativo ficaria em R$ 23,8 bilhões. Contudo, esse valor ficaria abaixo da estimativa das instituições financeiras. Segundo a pesquisa Prisma Fiscal, divulgada todos os meses pelo Ministério da Fazenda, os analistas de mercado esperavam resultado negativo de R$ 35,5 bilhões, sem considerar o pagamento de precatórios.

Leia mais! CONGRESSO MANTERÁ PROGRAMA PARA SETOR DE EVENTOS, AFIRMA DEPUTADO JOAQUIM PASSARINHO

Gastos

O resultado primário representa a diferença entre as receitas e os gastos, desconsiderando o pagamento dos juros da dívida pública. Apesar da quitação dos precatórios, o déficit ficou dentro da meta de R$ 231,5 bilhões para o Governo Central estabelecida pela Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) do ano passado.

precatórios

Haddad – Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, em janeiro, apresentou um pacote para crescer a arrecadação e revisar gastos para melhorar as contas públicas. Além disso, tinha a intenção de diminuir o déficit para cerca de R$ 100 bilhões em 2023. No fim de novembro, a Secretaria de Política Econômica disse que a previsão oficial de déficit primário estava em R$ 177,4 bilhões para este ano, podendo chegar a R$ 203,4 bilhões se considerada a metodologia do Banco Central. A previsão, no entanto, desconsiderava os precatórios.

Receitas

Na comparação com o ano passado, as receitas caíram, se descontada a inflação, contudo, as despesas aumentaram em volume maior por causa do Bolsa Família, dos gastos com a Previdência Social e dos precatórios. Em 2023, as receitas líquidas subiram 2,3% em valores nominais. Descontada a inflação pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), no entanto, elas recuaram 2,2%. Além disso, no mesmo período, as despesas totais subiram 17,7% em valores nominais e 12,5% após descontar a inflação.

Leia mais! MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PODEM ADERIR AO SIMPLES NACIONAL ATÉ QUARTA

Em relação as receitas administradas (relativas ao pagamento de tributos), houve queda de 1% em 2023 na comparação com 2022, já descontada a inflação. Diante disso, o resultado foi puxado principalmente pela Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. No entanto, houve aumento de R$ 11,7 bilhões (39,5% acima da inflação) em outras receitas administradas. Isso por causa principalmente do programa de redução da litigiosidade, em que o contribuinte fechava acordos com o governo em troca de encerrar ações na Justiça.

Também houve aumento de R$ 32,9 bilhões (5,8%) na arrecadação da Previdência Social, decorrente da recuperação do mercado de trabalho.

 

Usamos cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Ao clicar em "Aceitar", você concorda com o uso de cookies. Aceitar Saiba mais

-
00:00
00:00
Update Required Flash plugin
-
00:00
00:00