Início » Petrobras anuncia reativação da fábrica de fertilizantes no Paraná

Petrobras anuncia reativação da fábrica de fertilizantes no Paraná

A inciativa da Petrobras promete gerar um impacto positivo tanto para a economia local quanto para a produção nacional de fertilizantes

A+A-
Reset

A Petrobras aprovou, nessa quinta-feira (6), o retorno das atividades operacionais da fábrica de fertilizantes Araucária Nitrogenados S.A. (Ansa), sua subsidiária integral. Localizada no Paraná, a Ansa está hibernada desde 2020. A reativação da fábrica faz parte das diretrizes estratégicas revisadas pela Petrobras, que incluem a produção de fertilizantes no plano Estratégico 2024 – 2028. Este movimento reflete a renovada prioridade da companhia em fortalecer sua participação no setor de fertilizantes.

Petrobras

Foto: divulgação/Agência Petrobras

Os procedimentos necessários para a retomada da fábrica serão iniciados imediatamente. A decisão da Petrobras também autoriza a Ansa a celebrar acordos e contratar antigos empregados, desde que homologados pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST). A expectativa é que a operação da fábrica seja reiniciada no segundo semestre de 2025. A inciativa promete gerar um impacto positivo tanto para a economia local quanto para a produção nacional de fertilizantes.

A Ansa, localizada ao lado da Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), possui uma capacidade de produção de 720 mil toneladas/ano de ureia. Além disso, 475 mil toneladas/ano de amônia e 450 mil m³/ano de ARLA 32, um agente redutor líquido automotivo. A planta estava hibernada desde 2020 devido a recorrentes prejuízos financeiros. Entre janeiro e setembro de 2019, a unidade apresentou perdas de cerca de R$ 250 milhões, com previsões de superarem R$ 400 milhões em 2020, devido ao alto custo da matéria-prima.

Petrobras tentou outros caminhos

A hibernação da Ansa, decidida em janeiro de 2020, resultou na demissão de 396 empregados. Na época, a Petrobras justificou a decisão com base nos elevados custos do resíduo asfáltico, matéria-prima da fábrica, que superavam os preços dos produtos finais, amônia e ureia. A companhia tentou vender a fábrica, mas não obteve sucesso. Portanto, optou por mantê-la hibernada para garantir segurança operacional e ambiental, além da integridade dos equipamentos. Agora, com a retomada das operações, espera-se que a Ansa contribua significativamente para o setor de fertilizantes no Brasil.

Usamos cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Ao clicar em "Aceitar", você concorda com o uso de cookies. Aceitar Saiba mais