(São João da Barra - RJ, 31/01/2022) Ministro da Cidadania, João Roma durante a entrega do Auxílio Brasil a famílias locais. Foto: Alan Santos/PR

Diante da dificuldade em solucionar o impasse jurídico em como contemplar caminhoneiros na PEC dos combustíveis, passou a ventilar nos bastidores a possibilidade de usar os recursos destinados a esse fim para zerar a fila do auxílio Brasil. Fontes do governo e do Congresso envolvidas nas negociações confirmaram que a PEC pode trazer um comando constitucional que garanta que aqueles que aguardam na fila sejam atendidos.

Cálculos do governo apontam que cerca de um milhão de pessoas esperam para receber o auxílio. Esse número, contudo, pode reduzir pois as pessoas cadastradas passam por uma checagem de dados, a fim de conferir se elas se enquadram nos requisitos estabelecidos pelo benefício.

A avaliação é de que além do auxílio já existir e, por isso, ser mais fácil a ampliação do programa, o público que aguarda por esse tipo de benefício se encontra, neste momento, em situação econômica bastante delicada por causa da alta da inflação. Mas a substituição do voucher caminhoneiro por essa medida ainda não encontra convergência e é tema de discussão. Até porque uma ala dos congressistas defende que a ajuda aos transportadores de carga seja mantida no texto.

Por outro lado, o grande problema em questão é o tamanho do cheque que o governo terá de assinar para conceder os benefícios. A ideia da equipe econômica é destinar, no total, R$ 50 bilhões. Mas a soma inclui renúncia fiscal com a isenção de PIS/Cofins na gasolina e o pacote de benefícios que será ampliado via PEC. Daqui a pouco o relator do texto, senador Fernando Bezerra, irá se reunir com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, para tratar sobre a PEC e seu andamento na casa.

Autores

  • Editora-chefe na Arko Advice, desde fevereiro de 2022. Antes, atuou como repórter de política na CNN Brasil. Foi correspondente internacional em Nova Iorque pela Record TV. Atua em redação há 18 anos.

  • Graduanda de Ciências Sociais na Universidade de Brasília (UnB) e estagiária na Arko Advice.