Início Congresso Câmara dos Deputados Presidente da Câmara cria grupo para alterar código mineral

Presidente da Câmara cria grupo para alterar código mineral

Mineração em área indígena entra na discussão

Presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL). Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) formou na quarta-feira (22) um grupo de trabalho com quinze deputados para propor alterações no Código de Mineração em vigor. O grupo terá 90 dias para concluir sua tarefa e apresentar parecer com as propostas.

Se o presidente Jair Bolsonaro (PL) for reeleito, o caminho estará pavimentado para a aprovação das mudanças no Código Mineral. Dos quinze integrantes do grupo, seis pertencem aos dois principais partidos aliados do governo (PP e PL). Apenas dois deputados são de oposição (PT), um de Minas Gerais e outro do Pará (Odair Cunha e Airton Faleiros), os maiores estados mineradores do país. Outros partidos de esquerda, como PDT e PCdoB, Rede e PSOL não têm representantes no grupo.

O coordenador e o relator escolhidos por Arthur Lira são do PL, o mesmo partido de Bolsonaro. Para coordenador do grupo, foi indicado o deputado Filipe Barros, do Paraná; para relator, Joaquim Passarinho, do Pará. Como o prazo coincide com a campanha eleitoral e faltam apenas três semanas para o recesso do meio do ano, a apresentação do relatório deve ocorrer após as eleições para o Congresso, em outubro.

Formação de grupos de trabalho não precisa manter a proporcionalidade entre os partidos políticos, de acordo com o peso de cada bancada. A indicação dos nomes fica a critério do presidente da Câmara. O ato assinado por Arthur Lira estabelece que sejam feitas reuniões com segmentos da sociedade, audiências com representantes de universidades, especialistas em mineração, profissionais do setor e juristas.

O presidente da Câmara pretendia, inicialmente, que fosse debatido o projeto de lei que permite mineração em terras indígenas (PL 191/2020). De autoria do Executivo, esse projeto regulamenta os artigos 176 e 231 da Constituição para estabelecer as condições específicas para a realização da pesquisa e da lavra de recursos minerais e hidrocarbonetos e para o aproveitamento de recursos hídricos para geração de energia elétrica em terras indígenas.

No entanto, críticas de parlamentares de esquerda e da sociedade civil fizeram o enfoque voltar-se para a discussão será sobre mudanças em todo o código mineral, em vigor desder 1967. Em março, o plenário da Câmara aprovou por 279 votos contra 180 um requerimento apresentado pelo líder do governo, Ricardo Barros (PP-PR), para tramitação em regime de urgência do PL 191/20.

Mas forte reação de partidos de esquerda, de artistas e entidades da sociedade civil fez com que o presidente da Câmara decidisse por mais tempo de discussão sobre o assunto. Além disso, em decorrência da janela de filiações partidárias, a formação da comissão especial que iria discutir o assusnto ficou prejudicada.

À época, o líder do governo, Ricardo Barros declarou que mineração em terras indígenas é uma realidade que precisa ser regulamentada e fiscalizada. “Vemos as cenas horrorosas, as imagens dos rios da Amazônia que já são explorados pelos garimpeiros ilegais. Sem licença, não há fiscalização nem obrigação de reconstituição ambiental”.

Autor

  • Jornalista, formado pela UFMG, em 1973. Trabalhou em O Globo, Jornal do Brasil, Jornal de Brasília, Folha de S. Paulo, Assessoria de Imprensa do Ministério da Fazenda e sub-secretário de Imprensa e Divulgação da Presidência da República (1994 a 2003) e integrante da Assessoria Parlamentar da ANTT (2015-2021).