Foto: Pedro Gontijo/Senado Federal

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, voltou a defender a conta de estabilização para amortizar o aumento dos combustíveis e se posicionou contra a CPI da Petrobras. Segundo Pacheco, não há diferença entre a Petrobras e o governo porque a nomeação da Petrobras vem do próprio governo. A declaração ocorreu após a reunião do presidente do Senado com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), o Ministro Luiz Fux, nesta terça-feira (21). 

Ao ser questionado sobre a conta de estabilização, Pacheco declarou que “se é uma empresa que hoje está tendo lucros muito expressivos, me parece que o mais lógico é que o excedente dos dividendos da União possa ser revertido para sociedade”. Rodrigo Pacheco reiterou que expôs isso aos deputados e que agora é aguardar as decisões da Câmara.

Em relação à instalação de uma CPI, Pacheco afirmou que existem outros meios legislativos e do Poder Executivo mais úteis para resolver o problema dos combustíveis do que uma CPI. “Não tem a mínima razoabilidade uma CPI no momento” afirmou.

Autor