Evento internacional de logística multimodal em Foz do Iguaçu definiu governança com representação da Argentina, Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai. Foto: reprodução/ForumFilms

Foi realizado entre os dias quarta-feira (11) e sábado (14), em Foz do Iguaçu, o Fórum Internacional de Logística Multimodal Sustentável (Films), onde a aliança entre atores públicos e privados para criar o Corredor Bioceânico Multimodal de Capricórnio definiu sua forma de governança. Foram aprovados sete grupos permanentes de trabalho, com representantes de cinco países.

Formam os representantes, Argentina, Brasil, Chile e Paraguai, por onde passará o corredor, e Uruguai, país também beneficiado com essa rota multimodal. Os grupos permanentes são: Integração Ferroviária; Gestão Integrada de Fronteiras; Comércio e Produção; Transporte e Logística; Integração Aérea; Turismo; e Grupo Universitário da Tríplice Fronteira.

São previstas reuniões dos grupos permanentes de trabalho a cada três meses, de forma híbrida (presencial e virtual). Já as reuniões anuais, serão junto às plenárias da Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Paraná (Faciap).

O próximo congresso anual da entidade será em 25 e 26 de novembro de 2022.

Benefícios do Corredor Bioceânico
O Corredor Bioceânico de Capricórnio tem como objetivos, eficiência logística, redução de custos de frete, desenvolvimento de regiões e facilitação das transações internacionais e dos deslocamentos de pessoas. O Corredor será por meio de uma rota integração comercial, turística e humana da América do Sul, conectando os transportes rodoviário, ferroviário, aquaviário e aéreo.

Segundo o coordenador do FILMS, Danilo Vendruscolo, ter uma boa governança leva aos grandes resultados, dessa forma, foram definidos como e com quem os trabalhos serão realizados, para que possa ser efetivado uma saída para o Oceano Pacífico. Ressaltou também que os corredores se complementarão e que pela importância da fronteira dos países membros, é dever deles serem protagonistas da integração.

João Carlos Parkinson de Castro, ministro da carreira diplomática, completou que a integração e abertura de corredores privilegia as fronteiras terrestres, valorizando e desenvolvendo cidades e territórios, como também se buscam soluções para problemas que afetam o dia a dia das pessoas que vivem e trabalham nas fronteiras, como integração aduaneira e transpasso.

Durante o fórum, Alejandro Massucco, Cônsul da Argentina em Foz do Iguaçu, ressaltou que seu país está comprometido com o projeto, pois “o corredor bioceânico é uma forma de integração e prosperidade econômica para todos os países”.

Por fim, Romualdo Zocche, representante das cooperativas do Paraguai, ressaltou a união dos países e destacou que é de interesse do Paraguai, desenvolver a logística no Cone Sul e será o início de um grande trabalho em conjunto entre todos os países.

Canal com o Parlasul
O senador Nelson Trad (PSD-MS), presidente da Representação Brasileira no Parlamento do Mercosul (Parlasul), esteve presente também no FILMS.

Trad, além de se colocar à disposição dos grupos criados em Foz do Iguaçu, acabou relatando a experiência de seu estado, o Mato Grosso do Sul, na efetivação do corredor de transporte.

Segundo ele, os corredores reduzem o custo de fretes e estimulam o desenvolvimento. A logística determina se o produtor é ou não competitivo no mercado internacional, além de que o empresário ao invés de ser apenas um receptor de cargas, torna-se um distribuidor de mercadorias importadas.

Chico Brasileiro, prefeito de Foz do Iguaçu, ressaltou que o FILMS, trouxe riqueza para sua cidade e região na forma de conhecimento, projeto e integração. Após parabenizar a equipe organizadora do fórum e dizer que é um marco histórico para visão estratégica da logística, enfatizou também a importância das medidas tomadas pelo Governo do Paraná para a expansão da Ferroeste, que fará a estrada de ferro conectar a fronteira.