Precatórios: Guedes poderá sair enfraquecido - Análise Arko
Foto: Edu Andrade/Ascom/ME.

Questionado se deve permanecer ministro da Economia em um eventual segundo mandato de Bolsonaro, o ministro da Economia, Paulo Guedes, respondeu que a decisão depende do compromisso do governo com a pauta liberal. “Vão privatizar ou só passar tempo? Vamos zerar o IPI? Vamos aprofundar o choque de energia barata, por aumento de produção?”, questionou. A fala se deu em evento promovido nesta quinta-feira (19) pela Arko Advice e o Traders Club.

Na avaliação de Guedes, o governo sinaliza que quer manter esse viés econômico. “Se essa é a música, eu, com 72 e 73, eu vou animado, correndo atrás. Se a música mudar, [vou dizer] ‘eu tô velhinho, tenho que aproveitar minha vida, preciso de férias’. Hoje estou vendo que a banda está tocando bem”, pontuou.

Ao fazer uma retrospectiva dos governos pós-ditadura, o ministro Paulo Guedes avaliou negativamente a criação da possibilidade de reeleição do presidente da República. “É uma tragédia brasileira. Seria melhor um mandato de cinco anos sem reeleição. Faz uma política a cada cinco anos, não a cada dez minutos”, declarou.

Contudo, defendeu o direito de Jair Bolsonaro concorrer a um novo mandato. “Se tivesse tido um [mandato de] FHC, um Lula e um da Dilma, poderia ter um Bolsonaro. Mas como teve dois FHC, dois Lula e duas Dilmas, talvez precise de dois Bolsonaro. Mas tomara que o presidente faça a reforma política”, disse.

Autor

  • Jornalista brasiliense formado pela Universidade de Brasília (UnB). Tem passagem como repórter pelo Correio Braziliense, Rádio CBN e Brasil61.com. No site O Brasilianista cobre economia e política.