Da esquerda para a direita: Bruno Araújo (presidente nacional do PSDB), João Doria (governador de São Paulo e pré-candidato pelo PSDB), Simone Tebet (senadora e pré-candidata pelo MDB) e Baleia Rossi (deputado e presidente do MDB). Foto: PSDB/Divulgação

O presidente nacional do PSDB, Bruno Araújo, confirmou, na noite desta terça-feira (17), que nova reunião da executiva será realizada, com a presença de João Doria, para que seja formado consenso sobre a permanência ou desistência da candidatura do ex-governador à presidência. A expectativa é que o encontro seja realizado nesta quarta-feira (18).

“Não há nenhum sentido de ter qualquer definição sem que haja participação direta do governador João Doria. Eu tenho confiança que a boa política vai ajudar a construir um entendimento para que se busque um resultado junto com os outros partidos”, disse.

Bruno Araújo adotou tom diplomático ao dizer que a candidatura de Doria é legítima e nega qualquer intenção de a sigla de convencê-lo a desistir do pleito de outubro. O presidente do partido diz ainda que Doria seguirá pré-candidato pelo PSDB e que não teme judicialização do ex-governador contra a sigla. No entanto, o nome de Doria sofre resistência das bancadas do Senado e da Câmara, além de ter dificuldade de angariar apoio nos estados.

A apresentação da pesquisa qualitativa/quantitativa, encomendada pelo PSDB, para embasar a decisão de qual será o nome da terceira via segue na agenda do partido. Araújo disse que o levantamento será somente “para compreensão interna”, portanto, não vai ser divulgado ao público.

Ao deixar a reunião, o deputado Aécio Neves (PSDB-MG) apontou que há grande resistência de governadores quanto à definição da terceira via pelo nome de Doria.

“É preciso que cada um possa dizer a João Doria o que está acontecendo no Brasil, as consequências da manutenção de sua candidatura. Ele terá duas opções: o gesto da grandeza política, o que alguns esperam, ou permanecer nesse enfrentamento e ele estará assumindo as responsabilidades mais adiantes”.