Foto: Antônio Cruz/ABr

Ao contrário do noticiado em alguns veículos de comunicação, a mobilização de caminhoneiros no Espírito Santo da última quinta (12) foi motivada pelo descumprimento de um acordo existente entre os motoristas autônomos e transportadoras. Segundo o presidente do sindicato dos transportadores rodoviários autônomos de bens (Sindicam-ES), a negociação era de que a tarifa do frete fosse reajustada em maio para caminhoneiros da área portuária, o que não ocorreu. “Não estamos protestando contra aumento do óleo diesel. Nossa mobilização é por um dissídio que já existe e este mês não foi cumprido. E não estamos fechando estradas nem nada disso”, esclareceu Álvaro Luiz Ferreira.

No início dessa semana passada, Wallace Landin, presidente da Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Automotores (Abrava), declarou à Arko Advice que uma greve não estava fora de cogitação, considerando o aumento dos preços dos combustíveis.

Após uma reunião com secretários de Fazenda, o Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, afirmou que convocaria uma reunião entre os governadores dos estados e os secretários de Fazenda para debater soluções para a redução do preço dos combustíveis. Pacheco, contudo, é favorável à continuação do ICMS sobre a gasolina e também comunicou que os secretários não vêem possibilidade de alteração na alíquota do Diesel, que teve valor único definido após a aprovação de lei complementar.

Autor