Voto impresso: câmara convoca ministro da Defesa para explicações
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Após o Presidente Jair Bolsonaro sinalizar que o general Braga Netto irá compor a chapa como seu vice, a filiação do atual ministro da Defesa passou a ser alvo de especulações. Nos bastidores, o PL é tido como a mais provável sigla do atual cotado para vice. A possibilidade ganha ainda mais força já que partidos que formam a base do governo, como PP e Republicanos, não receberam até o momento indicação de que podem abrigar o general. Se as previsões se concretizarem, será formada uma chapa pura, exceção na política, já que Bolsonaro também integra o PL.

Embora compor o palanque presidencial dê visibilidade, os partidos estão preocupados mesmo é em filiar puxadores de voto, já que são eles os responsáveis por engrossar as bancadas e, com isso, dar mais poder ao partido na relação com o governo. Levando isso em consideração, o Republicanos continua em desvantagem. Desde que foi aberta a janela partidária, o partido ganhou 8 deputados, enquanto o PL filiou 25, e o PP recebeu 5. Embora tenha recebido o menor número de deputados, o Partido Progressista tem em seu quadro o presidente da Câmara e o ministro da Casa Civil, ambos protagonistas no governo. Enquanto Arthur Lira define a pauta da Casa, dá prioridade a matérias de interesse do Planalto e tem grande influência no orçamento secreto, Ciro Nogueira é considerado o único superministro da Esplanada e passou a ter responsabilidade sobre a destinação do orçamento da União, esvaziando poderes da equipe econômica.

Até o fim da janela partidária as legendas estarão concentradas em filiar o máximo de parlamentares possível. Neste quesito, além de já ter a maior bancada da Câmara, o PL tem também puxadores de voto determinantes, como o filho do presidente Eduardo Bolsonaro, o mais bem votado deputado da história com mais de 1,8 milhão de votos.

Não à toa, a principal pauta que circula entre os parlamentares, no momento, não se trata de PLs ou MPs mas, sim, da tão falada janela partidária e suas consequências.

Autor

  • Editora-chefe na Arko Advice, desde fevereiro de 2022. Antes, atuou como repórter de política na CNN Brasil. Foi correspondente internacional em Nova Iorque pela Record TV. Atua em redação há 18 anos.