Foto: Andrew Parsons / No10 Downing Street

 

No final dos anos 30 do século passado, Winston Churchill, na noite em que foi confirmado como primeiro-ministro da Inglaterra, disse que finalmente dormiria tranquilo por saber que o seu país estava em boas mãos

Em 1956, o então primeiro-ministro inglês, Anthony Eden, que havia servido com Churchill anos antes, queria ter vivido a mesma experiência. Aliados aos francês, tentou derrubar o governo egípcio que havia nacionalizado o canal de Suez. Não deu certo. Perdeu prestígio e saiu do posto.

As guerras podem fazer bem, momentaneamente, aos líderes ingleses. Churchill ganhou a guerra e perdeu as eleições. Eden perdeu a guerra que tanto queria contra os egípcios. Hoje, Boris Johnson, transita em uma situação que tem detalhes e armadilhas enfrentadas pelos líderes inglês do passado.

Estudioso e admirador de Churchill, Boris enfrentava a perda de prestígio por conta de festas durante a pandemia em Downing Street.  O agravamento da crise na Ucrânia pode colocá-lo na linha de frente do conflito a partir do fato de que os russos têm investimentos fortes no Reino Unido. O anúncio de retaliações e como se posicionar na questão pode restaurar parte do seu poder.

Na terça-feira, Boris Johnson viajou para os países que fazem fronteira com a Ucrânia e a Rússia na Europa.   Ao lado de autoridades da Polônia e da Estônia, reafirmou declarações duras contra os russos e pediu que a Rússia seja expulsa do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Mas a sua principal batalha será o desmonte do império que os oligarcas russos construíram no Reino Unido e das relações econômicas intrincadas com a Rússia. As guerras de hoje, ainda que parecidas coas do passado, não são iguais.   São mais complexas. Johnson terá que mostrar que está preparado para ser o líder que desejaria ser em momentos dramáticos.

 

Autor

  • Murillo de Aragão é advogado, jornalista, professor, cientista político e presidente da Arko Advice Pesquisas e sócio fundador da Advocacia Murillo de Aragão. É Formado em Direito pela Faculdade de Direito do Distrito Federal (UniCEUB), é mestre em Ciência Política pela Universidade de Brasília e doutor em Sociologia (estudos latino-americanos) pelo Ceppac – Universidade de Brasília. Entre 1992 e 1997 foi pesquisador associado da Social Science Research Council (Nova York). Foi membro do “board” da International Federation of the Periodical Press (Londres) entre 1988 e 2002. Foi pesquisador da CAPES quando doutorando no CEPAC/UnB. É membro da Associação Brasileira de Ciência Política, da American Political Science Association, da Internacional Political Science Association, da Ordem do Advogado do Brasil (Distrito Federal) e do IBRADE - Instituto Brasileiro de Direito Eleitoral. Foi membro do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social da Presidência da República (2007 - 2018). Como membro do Conselho, foi chefe de delegações do organismo na Rússia , BRICs e Comunidade Européia. Como palestrante e analista político, Murillo de Aragão proferiu mais de duas centenas de palestras, nos últimos 20 anos, em Nova York, Miami, Londres, Edimburgo, São Francisco, San Diego, Lisboa, Washington, Boston, Porto, Buenos Aires, Santiago, Lima, Guatemala City, Madrid, Estocolmo, Milão, Roma , Amsterdã, Oslo, Paris, entre outras, para investidores estrangeiros sobre os cenários políticos e conjunturais do Brasil. Aragão lecionou as matérias “Comportamento Político” e “Processo Político e Legislação” no Departamento de Ciência Política da Universidade de Brasília. Foi professor visitante da Universidad Austral, Buenos Aires e consultor do Banco Mundial. É professor-adjunto da Columbia University (Nova York) . Em 2017, foi convidado para ser professor-adjunto na Columbia University (Nova York) onde leciona a cadeira “Sistema Político Brasileiro”. É autor e autor do seguintes livros: Grupos de Pressão no Congresso Nacional (Maltese, 1992), ‘Reforma Política – O Debate Inadiável (Civilização Brasileira, 2014) e Parem as Maquinas (Sulina, 2017). É colunista de opinião da revista Isto É, e do jornal, O Estado de São Paulo.

Artigo anteriorBrasil fica de fora da lista de países considerados hostis por Putin
Próximo artigoANTT quer subsídios para norma sobre ferrovias
Murillo de Aragão é advogado, jornalista, professor, cientista político e presidente da Arko Advice Pesquisas e sócio fundador da Advocacia Murillo de Aragão. É Formado em Direito pela Faculdade de Direito do Distrito Federal (UniCEUB), é mestre em Ciência Política pela Universidade de Brasília e doutor em Sociologia (estudos latino-americanos) pelo Ceppac – Universidade de Brasília. Entre 1992 e 1997 foi pesquisador associado da Social Science Research Council (Nova York). Foi membro do “board” da International Federation of the Periodical Press (Londres) entre 1988 e 2002. Foi pesquisador da CAPES quando doutorando no CEPAC/UnB. É membro da Associação Brasileira de Ciência Política, da American Political Science Association, da Internacional Political Science Association, da Ordem do Advogado do Brasil (Distrito Federal) e do IBRADE - Instituto Brasileiro de Direito Eleitoral. Foi membro do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social da Presidência da República (2007 - 2018). Como membro do Conselho, foi chefe de delegações do organismo na Rússia , BRICs e Comunidade Européia. Como palestrante e analista político, Murillo de Aragão proferiu mais de duas centenas de palestras, nos últimos 20 anos, em Nova York, Miami, Londres, Edimburgo, São Francisco, San Diego, Lisboa, Washington, Boston, Porto, Buenos Aires, Santiago, Lima, Guatemala City, Madrid, Estocolmo, Milão, Roma , Amsterdã, Oslo, Paris, entre outras, para investidores estrangeiros sobre os cenários políticos e conjunturais do Brasil. Aragão lecionou as matérias “Comportamento Político” e “Processo Político e Legislação” no Departamento de Ciência Política da Universidade de Brasília. Foi professor visitante da Universidad Austral, Buenos Aires e consultor do Banco Mundial. É professor-adjunto da Columbia University (Nova York) . Em 2017, foi convidado para ser professor-adjunto na Columbia University (Nova York) onde leciona a cadeira “Sistema Político Brasileiro”. É autor e autor do seguintes livros: Grupos de Pressão no Congresso Nacional (Maltese, 1992), ‘Reforma Política – O Debate Inadiável (Civilização Brasileira, 2014) e Parem as Maquinas (Sulina, 2017). É colunista de opinião da revista Isto É, e do jornal, O Estado de São Paulo.