Durante live realizada nesta quinta-feira (24), o presidente da República, Jair Bolsonaro, demonstrou contrariedade ao ler uma notícia sobre a fala do vice-presidente Hamilton Mourão sobre a guerra entre Rússia e Ucrânia. “Quem fala sobre esse assunto (guerra) é o presidente. Com todo o respeito a essa pessoa (Mourão) não é de competência dela, mas sim, nossa. Nós somos da paz, queremos a paz. O que estiver ao nosso alcance, faremos”, afirmou ao lado do chanceler.

Na manhã de ontem, Mourão afirmou que o Brasil não é neutro na guerra. “O Brasil não está neutro. O Brasil deixou muito claro que ele respeita a soberania da Ucrânia. Então, o Brasil não concorda com uma invasão do território ucraniano. Isso é uma realidade”, disse.

O ministro das Relações Exteriores, Carlos França, que também estava presente durante a live do presidente, afirmou que cerca de 500 brasileiros estão na Ucrânia, onde, segundo França, a embaixada está de portas abertas para prestar qualquer tipo de ajuda.

“A Embaixada do Brasil em Kiev está aberta e dedicada à proteção dos brasileiros. O embaixador está 24 horas disponível. Estamos em contato com o Ministério da Defesa que está montando um plano de contingência para retirar os brasileiros”.

O ministro não deu detalhes de como será retirada. Afirmou que, mais provavelmente, ocorrerá por terra. E que está em contato com os países vizinhos à Ucrânia. O ministro pediu paciência. “Só vamos retirar (brasileiros) quando tiver condições adequadas de segurança, para que ocorra de maneira segura e ordenada. Não estamos deixando nada de lado, analisando todas as possibilidades”, declarou.

Autor