Da esquerda para a direita: Bruno Araújo (presidente nacional do PSDB), João Doria (governador de São Paulo e pré-candidato pelo PSDB), Simone Tebet (senadora e pré-candidata pelo MDB) e Baleia Rossi (deputado e presidente do MDB). Foto: PSDB/Divulgação

Nesta quarta-feira (02), os presidentes do PSDB e do MDB se reuniram para discutir a possibilidade de que uma federação partidária entre as duas siglas seja formada. “Preciso ouvir as bancadas e os diretórios estaduais. No MDB, todas as decisões precisam ser tomadas de forma amplamente democrática”, publicou o presidente do MDB, deputado Baleia Rossi.

O presidente do PSDB, Bruno Araújo, se mostrou otimista: “Há um caminho a ser percorrido, mas o momento que passa o País exige de nós essa tentativa”, publicou.

A aliança do MDB também é cobiçada pelo PT. Na segunda-feira (31), o ex-presidente Lula se reuniu com o senador Renan Calheiros (MDB-AL), que defendeu publicamente uma aliança com o petista. “Pessoalmente defendo que, se o MDB não tiver um candidato competitivo, é mais consequente uma aliança com Lula”, disse após o encontro, divulgado nas redes sociais do senador.

As negociações revelam um cenário de divisão dentro do MDB, que pode levar à desistência da senadora Simone Tebet, pré-candidata pelo partido.

Neste momento, os partidos mantêm diálogos amplos e nem todas as negociações devem se concretizar. O PSDB, por exemplo, negocia federação com MDB, Podemos e Cidadania. Mesmo o PDT participa das conversas. Todos esses partidos têm pré-candidatos à presidência da República. Portanto, as conversas também abrangem a possibilidade de uma formação de chapa.


Autor

  • Jornalista brasiliense formado pela Universidade de Brasília (UnB). Tem passagem como repórter pelo Correio Braziliense, Rádio CBN e Brasil61.com. No site O Brasilianista cobre economia e política.