Foto: Luke Sharrett / Bloomberg

Na quinta-feira (6/1) a Braskem começou o projeto de estabilização e drenagem da Encosta do Mutange, em Maceió. A obra está prevista no Acordo Socioambiental firmado entre o Ministério Público Federal e a empresa, com participação do Ministério Público Estadual, em dezembro de 2020. Por se tratar de uma encosta, o local é naturalmente instável e, ao longo dos anos, foi ocupado de forma irregular e desordenada.

As obras serão divididas em quatro etapas e realizadas em uma área com cerca de 200 mil m². A primeira fase é a demolição de aproximadamente dois mil imóveis; em seguida, vêm as obras de terraplenagem para suavizar as inclinações do terreno e a construção de um sistema de drenagem que proporcionará o direcionamento seguro da água das chuvas; a quarta e última etapa é o plantio de cobertura vegetal, ampliando, assim, a área verde de Maceió. A previsão é que o trabalho seja concluído até o final de 2022.

Cada uma das etapas é licenciada e autorizada pelos órgãos competentes, que acompanham a realização dos trabalhos. A demolição começa na parte mais plana, com aproximadamente 74 mil m² em uma região que tem cerca de 227 imóveis, localizados ao longo da Avenida Major Cícero, na base da Encosta do Mutange. Na sequência, vem a demolição das edificações localizadas nas áreas íngremes.

Para a demolição dos imóveis a empresa deve contratar cerca de 70 operários, número que pode chegar a 200 profissionais no pico do trabalho. Toda a área está cercada com tapumes e tem placas de sinalização indicando que apenas pessoas autorizadas podem circular no local.  

Segurança

Um sistema de monitoramento da encosta, composto por tecnologia de ponta, será instalado para garantir a segurança na execução do projeto e atestar a eficácia das obras de engenharia. Há ainda, uma Estação Meteorológica para fazer o monitoramento climático. Esses dados, juntamente com as outras medições, serão usados para acompanhar a estabilidade da região.  

Foi montado um canteiro operacional, onde a maior parte dos materiais de demolição será reciclada para que possa ser reutilizada na construção civil e cedida sem custo para órgãos públicos e entidades sem fins lucrativos que tenham interesse no material. Esta atividade está devidamente licenciada e autorizada pelos órgãos competentes, que serão convidados a participar de uma operação assistida e terão a oportunidade adicional de propor melhorias, caso sejam identificadas. Os materiais que necessitam de destinação específica serão doados para cooperativas de reciclagem ou encaminhados para destinação ambientalmente adequada.


Cliente Arko fica sabendo primeiro

Assine o Arko Private, serviço Arko para pessoa física, e tenha acesso exclusivo a um canal privado de interatividade e alertas em tempo real, além de relatórios, Lives Exclusivas e eventos especiais com figuras notáveis da nossa rede de contatos.