Randolfe Rodrigues: Bolsonaro já é o centro das investigações na CPI
Senador Humberto Costa (PT-PE); vice-presidente da CPIPANDEMIA, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP); presidente da CPIPANDEMIA, senador Omar Aziz (PSD-AM); relator da CPIPANDEMIA, senador Renan Calheiros (MDB-AL). Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

A Comissão de Direitos Humanos do Senado (CDH) aprovou nesta quinta-feira (9/12) que seja realizada uma missão oficial aos Países Baixos, em janeiro de 2022. O objetivo é entregar o relatório final da CPI da Pandemia ao Tribunal Penal Internacional, em Haia. O texto pede o indiciamento do presidente Bolsonaro por crimes contra a humanidade.

De acordo com o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), que foi vice-presidente da CPI, a comissão obteve provas sólidas de que as políticas do governo para enfrentar a pandemia foram implementadas com base na negação dos riscos, com desvio e falta de repasse de fundos, falta de assistência às comunidades mais vulneráveis e atraso nos acordos para compra de vacinas.

Randolfe afirmou que é importante que a população receba atualizações sobre o desfecho da CPI. “Não só apresentando (o relatório) perante as instâncias brasileiras competentes, como também ao Tribunal Penal Internacional, para que tomem conhecimento e providências sobre a existência de crimes contra a humanidade cometidos pelo presidente Jair Messias Bolsonaro”, disse.  A composição da delegação será definida por Humberto Costa (PT-PE), presidente da Comissão de Direitos Humanos.

 


Cliente Arko fica sabendo primeiro

Assine o Arko Private, serviço Arko para pessoa física, e tenha acesso exclusivo a um canal privado de interatividade e alertas em tempo real, além de relatórios, Lives Exclusivas e eventos especiais com figuras notáveis da nossa rede de contatos.