Plenário da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. Foto: Alesp

O deputado estadual Paulo Fiorilo (PT) conseguiu 40 assinaturas necessárias para a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar as denúncias contra a operadora de saúde Prevent Senior.

O presidente da Assembleia Legislativa, Carlão Pignatari (PSDB), afirmou que o projeto tramitará com a urgência que o tema exige. A Prevent Senior tem a maior parte dos seus hospitais em São Paulo (SP), e as denúncias tratam de situações registradas no Estado.

Mesmo integrando campos distintos, PSDB e PT se uniram em apoio à criação da CPI. Vale lembrar que a operadora paulista já é alvo da CPI da Covid, no Senado, sob suspeita de submeter pacientes a experiências com o “Kit Covid”, composto por medicamentos comprovadamente ineficazes contra a doença, sem conhecimento de familiares.

A avaliação entre os deputados estaduais é que, a exemplo da comissão no Senado, a CPI na Assembleia tem potencial para desgastar Bolsonaro, adversário tanto de Doria quanto dos petistas. Os dez parlamentares bolsonaristas na Assembleia estão isolados e sem força para barrar a iniciativa.

Com as assinaturas necessárias, a instalação da CPI da Assembleia precisa ainda ser aprovada em plenário por meio de um projeto de resolução para mudar o regimento, já que existem cinco CPIs em andamento, o número máximo previsto.

A Prevent Sênior também será alvo de uma CPI na Câmara Municipal de São Paulo (SP), que na última quinta-feira (30) aprovou a instalação da Comissão. O autor do requerimento é o vereador Antonio Donato (PT).

No requerimento de abertura da CPI, Donato cita diversas linhas de investigação que poderão ser abordadas na comissão paulistana. As denúncias já vêm sendo exploradas em depoimentos à comissão do Senado, tais como, a prescrição de medicamentos sem eficácia comprovada no tratamento da covid-19, subnotificação de casos da doença, alteração da causa mortis de diversos pacientes, tratamento paliativo sem obediência a critérios mínimos de ética estabelecidos no âmbito da medicina, coação a médicos e funcionários entre outros fatos ainda em investigação.

A CPI foi aprovada rapidamente na Casa, consequência de uma costura que vinha sendo nos bastidores. Com cinco integrantes, a comissão terá vereadores também do bloco DEM/MDB, PSDB, PSOL e Podemos/PP.

Vale lembrar que o Ministério Público (MP) paulista também investiga a atuação da Prevent Senior durante a pandemia.