Brics: Brasil defende reformas e a iniciativa privada para o pós-pandemia

A 2ª reunião de ministros de Finanças e presidentes de Bancos Centrais do Brics 2021 foi realizada na última quinta-feira (26) e contou com a participação do ministro da Economia, Paulo Guedes. O Brics é o bloco de países países emergentes formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. O encontro, que ocorreu sob a presidência indiana do bloco, agrupou tanto temas sob a coordenação dos ministros das Finanças quanto de competência dos Bancos Centrais.

Na esfera financeira, foram desenvolvidas as temáticas da recuperação da economia mundial frente à pandemia provocada pela Covid-19; do investimento em infraestrutura, focado em infraestrutura social e nas tecnologias digitais; e a cooperação aduaneira.

Retomada econômica

Sobre a recuperação da economia mundial, Guedes ressaltou em sua fala o forte crescimento em andamento no Brasil, o progresso da campanha de vacinação e o comprometimento do governo com o conjunto de reformas para garantir que o Brasil cresça de modo duradouro.

Ele também destacou a relevância de prosseguir com o ritmo da vacinação como iniciativa de proteção da saúde da população e auxílio para a retomada das atividades de produção. Durante a reunião, Guedes ainda realçou as iniciativas do governo brasileiro para a melhoria do ambiente de negócios, atração de investimentos privados e ampliação das oportunidades produtivas no país.

O ministro reforçou o comprometimento do governo brasileiro com as gerações futuras, tendo em vista que a redução gradativa das ações de auxílio emergencial, juntamente da agenda de reformas estruturais em andamento, visam assegurar a melhora do panorama fiscal a longo prazo e o dinamismo da recuperação econômica.

Digitalização

Em sua fala sobre investimentos em infraestrutura social e a presença crescente de tecnologias digitais, Guedes pontuou o movimento de digitalização em andamento no Brasil. O ministro apresentou a plataforma gov.br, que agrega serviços para a população e dispõe de informações sobre a atividade de todas as áreas do governo. Atualmente, 110 milhões de brasileiros estão registrados na plataforma que disponibiliza mais de 4 mil serviços ao cidadão.

Guedes também apontou o papel da digitalização dos serviços sociais em beneficiar 68 milhões de brasileiros que receberam o Auxílio Emergencial e colaborar na preservação de 11 milhões de vagas de emprego pela iniciativa do Benefício Emergencial para Preservação da Renda e do Emprego (BEm).

O ministro da Economia brasileiro ainda abordou as concessões à iniciativa privada no setor de saneamento básico, exemplificadas pela recente venda da Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae). De acordo com ele, é esperado que as privatizações fomentem a eficiência dos serviços e ampliem a presença das tecnologias digitais no rol de serviços para o consumidor.

Cooperação entre aduanas

Com relação à temática de cooperação aduaneira, Guedes assinalou seu apoio ao avança da coordenação do Brics pela importância do entendimento no âmbito das autoridades nacionais das nações do Brics para a facilitação dos fluxos de comércio do bloco.