O Ministério da Ciência e Tecnologia (MCTI) vai realizar um estudo técnico que vai medir o potencial eólico da costa brasileira entre os estados do Amapá e o Rio Grande do Norte. O acordo foi anunciado na última quarta-feira (9) durante reunião entre o ministro do MCTI, Marcos Pontes, e o senador Davi Alcolumbre (DEM- AP).
Divulgação

A região Nordeste tem se tornado referência na produção de energia limpa e renovável. Com a utilização de placas fotovoltaicas, que transformam o calor do sol em energia elétrica, o Nordeste vem batendo recorde na produção de energia solar.

De acordo com o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), no dia 19 de julho, a geração instantânea (pico) alcançou 2.211 MW, às 12h14, montante suficiente para atender a 20% da demanda do Subsistema do Nordeste naquele momento. O último recorde do tipo foi registrado no dia 28 de junho.

Além disso, o Nordeste também segue apresentando bom desempenho na geração de energia eólica, gerada pela força do vento. O terceiro recorde de geração média do mês ocorreu no dia 21 de julho, quando o ONS identificou a marca inédita de 11.094MW médios, valor capaz de atender quase 100% da demanda da região Nordeste no dia.

O secretário Adjunto de Energia Elétrica do Ministério de Minas e Energia, Domingos Romeu Andreatta, afirmou que o Nordeste é um exemplo para o mundo e a pasta vem trabalhando para elevar esse percentual e diversificar ainda mais as fontes de energia.

De acordo com dados do Operador Nacional do Sistema Elétrico, a energia eólica hoje representa 10,7% da matriz elétrica brasileira e a expectativa é que chegue ao fim do ano atingindo 11,2%. Já a energia solar representa 1,9% da matriz elétrica do país, podendo atingir 2,6% até o fim de 2021.


Cliente Arko fica sabendo primeiro

Assine o Arko Private, serviço Arko para pessoa física, e tenha acesso exclusivo a um canal privado de interatividade e alertas em tempo real, além de relatórios, Lives Exclusivas e eventos especiais com figuras notáveis da nossa rede de contatos.