Congresso Nacional ganharia mais força no semipresidencialismo ou no parlamentarismo. Foto: Leonardo Sá/Agência Senado
Congresso Nacional ganharia mais força no semipresidencialismo ou no parlamentarismo. Foto: Leonardo Sá/Agência Senado

Voltou à discussão na última semana a possibilidade de se trocar o sistema de governo do Brasil por meio de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC). A ideia, defendida pelo presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), é que o presidencialismo seja substituído pelo semipresidencialismo ou pelo parlamentarismo. A proposta, que valeria apenas a partir de 2026, diminuiria os poderes do presidente da República, que passaria a ser apenas chefe de Estado, e criaria a figura do primeiro ministro, chefe de governo, que efetivamente teria o papel de governar a nação. Hoje, o presidente da República é tanto chefe de Estado como chefe de governo.

O primeiro-ministro teria seu papel vinculado ao Congresso – assim como em países parlamentaristas, como o Reino Unido, em que a permanência do chefe de Governo depende da construção de uma maioria no Parlamento, e trocas em momentos de crise não são raras.

Ideia não é nova

A ideia não é nova, ela ressurge toda vez que o Brasil passa por um momento de crise institucional. Isso porque, para os defensores do semipresidencialismo, um processo de impeachment acaba sendo traumático para o país, criando polarização e enfraquecendo a democracia.

Além de Lira, outras figuras também defendem a troca do sistema de governo, como o ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, e o ex-presidente Michel Temer (MDB). A troca para o parlamentarismo também é uma das bandeiras do PSDB, que trabalhou ativamente pela implantação do sistema durante o governo de Fernando Henrique Cardoso.

Em 1993 um plebiscito chegou a ser feito para definir qual seria o sistema adotado no país. O presidencialismo venceu o parlamentarismo com 69.20% dos votos. Anteriormente, em 1963, no governo João Goulart, um outro plebiscito já havia sido realizado, com mais de 80% da população optando pelo presidencialismo.

Posteriormente, deputados apresentaram uma PEC propondo o sistema que dá mais força ao Congresso. A discussão da constitucionalidade da PEC foi parar no Supremo Tribunal Federal (STF), após questionamento de deputados do PT. O processo nunca teve uma decisão definitiva, uma vez que foi registrada desistência dos autores. Ainda assim, vale destacar que o STF não acatou o mandado de segurança pedindo que a tramitação da PEC fosse impedida.

Decisão anterior não impede nova tentativa

O episódio serve de comparativo porque os argumentos utilizados, na época, eram os mesmos adotados hoje contra a alteração no sistema. Era dito que o povo brasileiro já se pronunciou por meio do plebiscito e que a proposta atentava contra as cláusulas pétreas da Constituição.

Marcelo Weick Pogliese, advogado especialista em direito eleitoral, membro da Academia Brasileira de Direito Eleitoral e Político (Abradep) discorda que haja impeditivo. “Não entendo que a decisão plebiscitária de 1993 tenha inviabilizado a possibilidade de novo debate e deliberação, pelo Congresso Nacional, sobre implantação do parlamentarismo ou do presidencialismo. Não há previsão constitucional ou legal que impeça o enfrentamento do tema sistema de governo, depois de 28 anos daquela consulta popular”, defende.

Na avaliação do jurista, se a mudança fosse inconstitucional, o próprio resultado do plebiscito de 1993 seria inválido, caso o resultado fosse a favor do parlamentarismo.

“Sistema de Governo (presidencialismo, parlamentarismo ou semipresidencialismo) não viola quaisquer dos incisos do parágrafo quarto do art. 60 da Constituição Federal”, pontua, citando o artigo que trata das cláusulas pétreas.

Parlamentarismo enfrenta dificuldades políticas

Mesmo que uma PEC pela troca do sistema político consiga tramitar sem encontrar dificuldades na Justiça, é improvável que a ideia avance no Congresso. Assim como o PT se posicionou contra a mudança em 1993, grande parte da esquerda hoje ainda resiste ao projeto.

Para o cientista político e CEO da Arko Advice, Murillo de Aragão, a proximidade do ano eleitoral pode impedir o avanço da proposta. Além disso, a população não está convencida de que é uma boa ideia entregar mais poder nas mãos do Parlamento.

“Há um desprestígio do Congresso perante a sociedade, então a tramitação da proposta pode encontrar oposição popular e isso, de alguma maneira, enfraquece o debate. Por outro lado, o fato é que temos um semipresidencialismo de fato, que pode ser aperfeiçoado por meio de ajustes pequenos, não necessariamente por meio de uma emenda constitucional que pode suscitar embates intensos”, analisa.


Cliente Arko fica sabendo primeiro

Assine o Arko Private, serviço Arko para pessoa física, e tenha acesso exclusivo a um canal privado de interatividade e alertas em tempo real, além de relatórios, Lives Exclusivas e eventos especiais com figuras notáveis da nossa rede de contatos.