Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Ministério da Agricultura e o BNDES deram início aos estudos para o projeto de concessão florestal de cinco florestas públicas federais localizadas no Amazonas. No total, 2,3 milhões de hectares poderão ser concedidos nas florestas de Balata-Tufari, Jatuarana, Pau-Rosa, Gleba Castanho e Iquiri, com estimativa de geração de 3,9 mil empregos diretos.

Com a medida, os órgãos federais envolvidos no programa buscam garantir a conservação das florestas públicas, a produção sustentável e o desenvolvimento econômico regional, com a melhoria da qualidade de vida das populações que vivem no entorno dessas áreas.

Para a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, “cada dia avançamos mais para cuidar desse patrimônio que o mundo todo olha, às vezes assustado, querendo dizer que não cuidamos dele. Esta é uma demonstração inequívoca de que queremos fazer o melhor, rápido e bem feito. Não só cuidando do patrimônio ambiental, mas também das pessoas que vivem ali”.

Para o diretor-geral do Serviço Florestal Brasileiro (SFB), Pedro Neto, é preciso consolidar as concessões florestais no Brasil. “O mecanismo de conservação e uso sustentável através da concessão é um processo seguro e o Brasil precisa consolidá-lo.” O BNDES vai estruturar a modelagem dos editais, em conjunto com o Serviço Florestal Brasileiro e o apoio do PPI.

Para o presidente do banco, Gustavo Montezano, a parceria com o Ministério da Agricultura nas concessões ambientais deve ser ampliada. “Nessa parceria com o ministério, sempre procuramos a inovação, seja no financiamento agrícola ou na concessão florestal. Esses 2,3 milhões de hectares são um piloto e este é o início de uma jornada ainda maior para as dimensões do Brasil. Temos a clareza de que isso poderá ser multiplicado 100, 200 vezes.”

As cinco florestas do Amazonas:

  • A Floresta Nacional de Balata-Tufari, com 1,1 milhão de hectares, dos quais cerca de metade pode ser destinada ao manejo, localiza-se na região compreendida entre os rios Madeira e Purus, próximo aos municípios de Humaitá, Tapauá, Lábrea e Canutama.
  • A Floresta Nacional de Jatuarana, com cerca de 569 mil hectares, tem potencial de manejo em aproximadamente 484 mil hectares. Fica no sul do Amazonas, no município de Apuí.
  • A Floresta Nacional de Pau-Rosa tem 988 mil hectares, dos quais em torno de 211 mil podem ser destinados ao manejo. Fica no leste do Amazonas, na fronteira com Pará, nos municípios de Maués e Nova Olinda do Norte.
  • A Floresta Pública Federal Gleba Castanho conta com 165 mil hectares, dos quais cerca de 120 mil podem ser destinados ao manejo empresarial. Situa-se no sul do Amazonas, no município de Careiro.
  • A Floresta Nacional do Iquiri é uma unidade de conservação federal gerida pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, com área aproximada de 1,47 milhão de hectares, dos quais ao menos 884 mil podem ser destinados ao manejo empresarial. Localiza-se no sul do estado, no município de Lábrea, próximo à divisa com Rondônia e Acre.