Uma comitiva de embaixadores estrangeiros visitou a usina de Itaipu Binacional nos dias 27 e 28 de maio. Além de conhecer a hidroelétrica, de acordo com o Ministério das Relações exteriores, a visita serviu para apresentar o planejamento do setor elétrico brasileiro, com ênfase na incorporação de energias renováveis e nas oportunidades de cooperação e investimentos que se abrem com a modernização do setor e a transição energética.
Alexandre Marchetti /ItaipuBinacional

Uma comitiva de embaixadores estrangeiros visitou a usina de Itaipu Binacional nos dias 27 e 28 de maio. Além de conhecer a hidroelétrica, de acordo com o Ministério das Relações exteriores, a visita serviu para apresentar o planejamento do setor elétrico brasileiro, com ênfase na incorporação de energias renováveis e nas oportunidades de cooperação e investimentos que se abrem com a modernização do setor e a transição energética.

A convite dos Ministros das Relações Exteriores, Carlos Alberto Franco França, e de Minas e Energia, Bento Albuquerque, e do Diretor-Geral brasileiro, João Francisco Ferreira, participaram autoridades de Alemanha, Austrália, Dinamarca, Espanha, Estados Unidos, França, Índia, Reino Unido e União Europeia.

“Itaipu Binacional é responsável por 10,8% da energia elétrica consumida no Brasil. A empresa é líder mundial na produção de energia limpa e referência em ações de desenvolvimento sustentável. O Parque Tecnológico de Itaipu abriga o Núcleo de Pesquisa em Hidrogênio, com vocação para tornar-se um dos principais centros nacionais de pesquisa e desenvolvimento desse energético estratégico”, afirmou o ministério.

A matriz elétrica brasileira, segundo o Ministério, é composta em 85% por energias renováveis, contra 28% da média mundial. Além disso, o órgão apontou que o Brasil é líder em tecnologias de energia limpa e ocupa o segundo lugar no mundo em geração hidrelétrica. “De acordo com o planejamento energético nacional, a matriz elétrica brasileira deverá contar, em 2030, com 86% de renováveis, com crescimento substancial das fontes solar e eólica”.

Investimentos

De acordo com dados do Ministério das Relações Exteriores, o governo brasileiro tem desenvolvido intensa agenda de cooperação internacional no setor de energia, com ênfase crescente em fontes limpas e renováveis.

“O setor de energia e mineração foi o que mais recebeu investimentos estrangeiros em 2020, sendo responsável por 26% do total dos investimentos externos realizados no Brasil, totalizando aproximadamente R$ 45 bilhões. Em 2021, o setor de energia elétrica deverá investir cerca de R$ 24 bilhões, gerando mais de 20 mil empregos. Segundo o planejamento energético nacional, até 2030, o setor de energia como um todo poderá contar com investimentos de até R$ 2,7 trilhões”, disse o órgão.