Foto: Beth Santos/Secretaria-Geral da PR

Informações do Ministério de Minas e Energia apontam que o setor energético é o que mais atrai investimentos estrangeiros para o Brasil. Entre 2019 e 2020, por exemplo, R$ 160 bilhões foram injetados no país para esta categoria – 26% do total investido em território brasileiro (de acordo com Albuquerque). O dado foi revelado pelo ministro durante a assinatura do Acordo de Cooperação Técnica (ACT) com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), na última segunda-feira (10/05), em Brasília. A aliança pretende impulsionar o volume investido sobretudo nas áreas de energia. 

“Para se ter uma ordem de grandeza, de todo o ingresso no País em 2020, 26% ocorreram nesses segmentos, evidenciando a sua atratividade com relação ao capital internacional”, disse. 

O tratado, com vigência de dois anos, abrange áreas de energia elétrica, petróleo, gás, biocombustíveis, energias renováveis (eólica, solar e hidrogênio), energia nuclear, geologia, mineração e transformação mineral. Além disso, o Plano de Trabalho tem três pilares: a inteligência, que consistirá no levantamento e na análise de dados setoriais, incluindo um mapeamento de investidores de cada setor nos mercados-alvos previstos pelo acordo; a promoção, que abrangerá webinarários e missões pertinentes para cada área priorizada; e a facilitação de investimentos estrangeiros, por meio de atendimentos conjuntos, networking com o setor público e matchmaking com empresas brasileiras, entre outros serviços. 

Na visão do ministro Bento, o acordo implementará uma agenda de cooperação e otimização dos recursos. Para ele, sobretudo nesta etapa de retomada da economia, a aliança contribuirá para posicionar o Brasil como destino ainda mais seguro de investimentos voltados para os setores de minas e energia. 

O presidente da Apex-Brasil, Sergio Segovia, lembrou que em 2020 a agência apoiou a atração de mais de US$ 5 bilhões de investimentos estrangeiros, sendo US$ 1,4 bilhão para petróleo e gás, e US$ 392 milhões para energia. “Estamos confiantes de que poderemos avançar muito mais em busca de melhores resultados, contando com o apoio do Ministério de Minas e Energia e a atratividade dos seus importantes segmentos”, afirmou Segovia. 

Participaram da cerimônia os secretários do Ministério de Minas e Energia: de Geologia, Mineração e Transformação Mineral, Alexandre Vidigal; de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, José Mauro Coelho; e o adjunto da Secretaria Executiva, Bruno Eustáquio de Carvalho. Participaram também diretores da Apex-Brasil.