Arquivo/Agência Brasil

A produção nacional de grãos para a safra 2020/2021 deverá registrar alta em relação ao biênio anterior. De acordo com uma projeção da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), divulgada na última quarta-feira (12), o Brasil produzirá 271,7 milhões de toneladas, 5,7% ou 14,7 milhões de toneladas a mais em comparação ao produzido em 2019/20.

A previsão para área plantada total também é de crescimento. Segundo o levantamento, o aumento será de 4,1% ou 2,7 milhões de hectares, alcançando 68,6 milhões de hectares. Em relação à soja, um dos produtos mais exportados pelo país, a expansão será 4,2% ou 1,6 milhão de hectares (com uma produção de 135,4 milhões de toneladas, segundo o estudo), e para o milho segunda safra com ganho de 8,8%, correspondendo a 1,2 milhão de hectares (106,4 milhões de toneladas produzidas).

“O levantamento da Conab nos mostra um volume de produção, apesar das dificuldades climáticas, superior ao ano passado. É um ano muito favorável e esperamos que, com situações climáticas melhores, tenhamos a manutenção dessa safra, que sinaliza bons momentos para a produção brasileira”, afirmou o diretor de Comercialização e Abastecimento do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Silvio Farnese.

Na visão de Farnese, o arroz e feijão são alguns dos destaques na safra de 2021 “Um número interessante é o da produção de arroz, que ano passado, deu alguns sustos em relação ao preço. Agora, com o aumento de produção contribui com o abastecimento interno, mesmo que os preços se mantenham no patamar do ano passado ou um pouco menor. O feijão também mantém um volume suficiente para atender o consumo, mesmo com a crise climática da segunda safra”, disse.