Foto da Guarda Nacional Aérea dos Estados Unidos por Senior Master Sgt. Edward Snyder, Guarda Nacional da Carolina do Sul

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA), o órgão regulador da União Europeia (UE), aprovou o uso emergencial da vacina contra a COVID-19 desenvolvida pela farmacêutica Moderna nesta quarta-feira (6). É a segunda vacina aprovada no bloco. A primeira, da Pfizer e BioNTech, foi aceita dia 21 de dezembro de 2020.

O órgão recomendou que o imunizante seja aplicado em pessoas com mais de 18 anos. A decisão do EMA de conceder a autorização “fornece outra ferramenta para superar a emergência atual”, de acordo com o diretor-executivo Emer Cooke. A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse que são boas notícias para levar mais vacinas contra a doença aos europeus. “Agora estamos trabalhando a todo vapor para aprová-la e disponibilizá-la na UE”, escreveu em postagem no Twitter.

O ensaio clínico que envolveu 30 mil pessoas concluiu que a vacina da farmacêutica demonstrou eficácia de 94,1% na prevenção da COVID-19 em pessoas com mais de 18 anos. O imunizante deve ser administrado em duas doses, com 28 dias de intervalo entre cada uma.

A vacina deve ser armazenada em temperatura de congelamento e ficar entre 2ºC a 8ºC por um período de 30 dias. É mais fácil de ser transportada a qualquer parte do mundo que a da Pfizer, por exemplo, que deve ser guardada a menos de 80ºC.