Foto: Elza Fiúza/ABr

Caso as urnas confirmem as projeções acima e os possíveis cenários de segundo turno não sofram nenhuma grande mudança, a tendência é de que o DEM saia das eleições municipais como o partido com o maior número de capitais sob seu controle (ver tabela abaixo).

Embora o PSDB também deva sair forte do pleito municipal, espera-se que o desempenho seja inferior ao registrado em 2016. O MDB também deve ter um desempenho satisfatório, assim como o PP e o PSD.

PARTIDOS PREFEITOS ELEITOS EM 2016 PREFEITOS ATUAIS ELEITOS EM 1º TURNO (PROJEÇÃO) DISPUTA 2º TURNO MÍN-MÁX (PROJEÇÃO)
DEM 1 3 3 1 3-4
PSDB 7 8 1 4 2-3
P (MDB) 4 4 7 2-3
PP 4 2-3
PSD 2 2 2 1 2-2
PDT 3 3 2 1-2
Podemos 3 1-2
PSB 2 2 2 1-1
PCdoB 1 1 1-1
PSOL 2 1-1
PPS/Cidadania 1 1 2 0-1
Avante 1 0-1
PHS 1
PMN 1
PRB/Republicanos 1 1 2
PT 1 2
Rede 1 1
PV 1
PROS 1
SD 1

Outra novidade deve ser a emergência do Podemos, podendo conquistar o mesmo número de capitais que MDB, PP e PSD.

No campo da esquerda, merece destaque o avanço do PSOL e PCdoB, além do PSB e PDT. Esse resultado aponta sinais de esgotamento da hegemonia exercida pelo PT nas capitais no campo progressista.


*Análise Arko – Esta coluna é dedicada a notas de análise do cenário político produzidas por especialistas da Arko Advice. Tanto as avaliações como as informações exclusivas são enviadas primeiro aos assinantes. www.arkoadvice.com.br