Foto: Marcos Corrêa/PR

A nova pesquisa do PoderData aponta que a avaliação positiva (ótimo/bom) do governo Jair Bolsonaro oscilou dois pontos percentuais para baixo e agora registra 36%. Pela primeira vez desde junho, avaliação negativa (ruim/péssimo), que subiu cinco pontos, e agora soma 40%, supera a positiva. O índice regular, por sua vez, passou de 23% para 21%.

Conforme podemos observar, temos uma polarização bem definida na sociedade. De acordo com a sondagem, 45% aprovam Bolsonaro e 43% desaprovam. No levantamento realizado há 15 dias, 48% aprovavam Bolsonaro e 45% desaprovavam.

A queda na popularidade do presidente pode ser atribuída a redução do auxílio emergencial, que começa a ser percebido com mais força no dia a dia de seus beneficiados.

De acordo com o PoderData, entre que recebe o benefício, a aprovação do governo oscilou de 50% para 49% enquanto a desaprovação passou de 40% para 42%.

Também pesa negativamente o cenário negativo no emprego e o aumento da inflação, sobretudo de alimentos.

A maior aprovação ao governo está localizada nas regiões Norte e Sul (57%) seguido pelo Centro-Oeste (53%), Sudeste (47%) e Nordeste (30%). Por outro lado, a maior desaprovação se concentra no Nordeste (59%) seguido pelo Sudeste (40%), Norte (37%), Sul (34%) e Centro-Oeste (34%).

Na divisão por renda, quem mais aprova o governo são os brasileiros sem renda fixa e com rendimentos de 2 a 5 salários (54%). Depois aparece a população com renda de até 2 salários (38%), o segmento com renda de 5 a 10 salários (36%) e acima de 10 salários (12%).

Quem mais desaprova o governo são os brasileiros com renda acima de dez salários (88%) seguido pelas faixas de renda de 5 a 10 salários (53%), de até 2 salários (43%), de 5 a 10 salários (42%) e sem renda fixa (35%).