Foto: ABI

A produção das refinarias chinesas de petróleo registrou alta de 12% em julho na comparação com o mesmo mês de 2019, o maior nível da história em um único mês, em decorrência da retomada das atividades de unidades estatais ora paralisadas para manutenção do maquinário.

Foram processadas 59,56 milhões de toneladas de petróleo na China no mês passado, segundo dados do Departamento Nacional de Estatísticas divulgados na sexta-feira (14), o que equivale a 14,03 milhões de barris diários. Desde o início do ano, já foram processadas 378,65 milhões de toneladas de petróleo, com média de 12,98 milhões de barris por dia, equivalente á uma alta de 2,3% em relação aos sete primeiros meses do ano passado.

Retomaram suas atividades normais duas unidades da Sinopec e uma da PetroChina, além de se contabilizar os prejuízos causados pela desaceleração na demanda por diesel e gasolina nas províncias banhadas pelo rio Yangtze, que vem registrando fortes enchentes. Com o fenômeno, há acúmulo de estoque, o que poderá gerar cortes de produção mais à frente – a atividade das refinarias chinesas já caiu 10% em relação ao mês anterior, segundo a consultoria Longzhong.