O Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ), por meio do mandado de prisão de Fabrício Queiroz – que estava há um ano morando no escritório do advogado da família Bolsonaro -, constatou que o ex-assessor do então deputado estadual Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), pagou algumas mensalidades da escola das filhas do atual senador, no mesmo período em que operava o suposto esquema de “rachadinhas” no gabinete do 01.

Segundo o MP, há suspeita sobre R$ 260 mil pagos com dinheiro em espécie por mensalidades e plano de saúde. Além disso, a procuradoria detalha que Queiroz depositou, pessoalmente em 2011, R$ 25 mil na conta de Fernanda Bolsonaro, esposa de Flávio.

A decisão judicial também detalha as despesas da família, que foram pagas com dinheiro em espécie, apesar do casal não ter realizado qualquer saque em espécie nos 15 meses anteriores. A origem do dinheiro ainda é desconhecida.