Foto: Miguel Medina/AFP

A China estabeleceu que cerca de 108 milhões de pessoas na província de Jilin, no nordeste do país, devem entrar novamente em lockdown após novas infecções pelo coronavírus. Cidades na região fecharam escolas e suspenderam os serviços de transporte.

A cidade de Wuhan, onde os primeiros casos da doença foram registrados em 2019, também vem divulgando novos casos do coronavírus nas últimas semanas. No entanto, as pessoas infectadas não estão apresentado estágios mais severos da COVID-19, como ocorreu na primeira onda de infecções.

O governo da China, liderado pelo presidente Xi Jinping, está tomando medidas visíveis para impedir uma nova proliferação da doença no nordeste do país. O governo vem sofrendo grande pressão internacional para lidar com a situação, após o atraso inicial em lidar com a doença no ano passado.