Foto: Marcos Corrêa/PR

Fontes que assistiram a exibição do video da reunião ministerial de 22 de abril, apontada como prova de interferência de Jair Bolsonaro na Policia Federal, afirmaram ao O Brasilianista de que não a evidência de crime no video.

Recheada de alguns palavrões e cobranças generalizadas, a reuniÃo repetiu o padrão de outras onde o presidente se mostrava preocupado tanto com a proteção política quanto com a sua segurança e de seus familiares.

No Supremo Tribunal Federal, existe uma divisão entre ministros. Alguns acham que Bolsonaro deve ser processado pelo “conjunto da obra” e por seu comportamento anti-institucional. Outros acham que não há, tecnicamente falando, justificativa que possa impulsionar a abertura de processo contra ele.

A bom recairá nas mãos do procurador-geral da República, Augusto Aras, que terá que decidir se cabe ou não o pedido de abertura de processo à Camara dos Deputados.

Artigo anteriorMáscaras chinesas chegam ao Brasil
Próximo artigoMercosul tenta solucionar impasse da Argentina que trava acordos com outros mercados
Murillo de Aragão é advogado, jornalista, professor, cientista político e presidente da Arko Advice Pesquisas e sócio fundador da Advocacia Murillo de Aragão. É Formado em Direito pela Faculdade de Direito do Distrito Federal (UniCEUB), é mestre em Ciência Política pela Universidade de Brasília e doutor em Sociologia (estudos latino-americanos) pelo Ceppac – Universidade de Brasília. Entre 1992 e 1997 foi pesquisador associado da Social Science Research Council (Nova York). Foi membro do “board” da International Federation of the Periodical Press (Londres) entre 1988 e 2002. Foi pesquisador da CAPES quando doutorando no CEPAC/UnB. É membro da Associação Brasileira de Ciência Política, da American Political Science Association, da Internacional Political Science Association, da Ordem do Advogado do Brasil (Distrito Federal) e do IBRADE - Instituto Brasileiro de Direito Eleitoral. Foi membro do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social da Presidência da República (2007 - 2018). Como membro do Conselho, foi chefe de delegações do organismo na Rússia , BRICs e Comunidade Européia. Como palestrante e analista político, Murillo de Aragão proferiu mais de duas centenas de palestras, nos últimos 20 anos, em Nova York, Miami, Londres, Edimburgo, São Francisco, San Diego, Lisboa, Washington, Boston, Porto, Buenos Aires, Santiago, Lima, Guatemala City, Madrid, Estocolmo, Milão, Roma , Amsterdã, Oslo, Paris, entre outras, para investidores estrangeiros sobre os cenários políticos e conjunturais do Brasil. Aragão lecionou as matérias “Comportamento Político” e “Processo Político e Legislação” no Departamento de Ciência Política da Universidade de Brasília. Foi professor visitante da Universidad Austral, Buenos Aires e consultor do Banco Mundial. É professor-adjunto da Columbia University (Nova York) . Em 2017, foi convidado para ser professor-adjunto na Columbia University (Nova York) onde leciona a cadeira “Sistema Político Brasileiro”. É autor e autor do seguintes livros: Grupos de Pressão no Congresso Nacional (Maltese, 1992), ‘Reforma Política – O Debate Inadiável (Civilização Brasileira, 2014) e Parem as Maquinas (Sulina, 2017). É colunista de opinião da revista Isto É, e do jornal, O Estado de São Paulo.