O documentarista britânico Adam Curtis fez um filme sobre Vladislav Surkov. Para quem não sabe, Surkov foi um dos grandes ideólogos do Presidente russo Vladimir Putin, além de ter sido Vice-primeiro- ministro da Rússia durante a Presidência de Dmitri Medvedev. Surkov explicou um pouco a Curtis como funciona a estratégia de narrativa de Putin. Essa estratégia, Surkov chamou de “Guerra não-linear”.

A guerra não-linear não é algo exclusivo da Rússia. Ela pertence, sob diferente nomes, a todos os governantes e líderes que almejam controlar a narrativa política de um país, colocando-se como o detentor da agenda de vitórias e derrotas do governo, bem como “narrador” e testemunha ocular dos avanços do inimigo (ou oposição) contra seu governo.

Trata-se de uma estratégia de narrativa política onde o governante alerta a sociedade sobre a existência de um conflito sem identificar claramente quem é o “inimigo” (que pode ser uma ideia ou um conceito), o que o inimigo quer e sem oferecer uma expectativa de duração para essa “guerra”.

Nesse momento, o narrador dessa “guerra” é o próprio governante. É ele que se mantém definindo o status do combate para a coletividade. Estamos vencendo? O inimigo está se fortalecendo? Estão conspirando contra nós? Ex-aliados sempre estiveram contra para nos prejudicar?

A ausência de evidências sobre essa “guerra” faz com que parte da sociedade a acompanhe como uma série televisiva, torcendo contra ou a favor, baseando-se credulamente na narrativa dos “fatos” apresentados pelo governante.

A contradição constante gera dissociações e caos nos meios de comunicação, tornando-os não-confiáveis para grande parte da sociedade, já que a interpretação de um embate — que nunca é mensurável — não é feita de forma técnica ou empírica.

O surgimento de fatos positivos, melhoras na economia ou nos indicadores de desemprego, por exemplo, são adaptados ou moldados pelo governante que os transforma em sinais de que “a guerra está sendo vencida”. Erros praticados pelo governo são apresentados como “contra-ataques do inimigo para nos prejudicar”.

A vantagem para o narrador principal — o governante — é que ele atribui as vitórias à sua genial estratégia, e suas derrotas, à força e ao poder do inimigo. Assim, não existem erros cometidos por ele, apenas dificuldades em lidar com a resistência encontrada ao liderar um país em um conflito “mais difícil do que imaginávamos”.

Qualquer opositor ao governo encontra uma enorme dificuldade em confrontar essa narrativa, pois não consegue atribuir a essa “guerra” nenhum aspecto de realidade.

Os argumentos da oposição se baseiam na “insanidade” ou na subjetividade da narrativa do governante. A resposta do governante para a oposição (nova ou antiga) é que suas lideranças representam “agentes” do oponente subjetivo contra o qual estamos lutando. Portanto, é natural que critiquem o governo, pois o que desejam mesmo é o seu fracasso.

O controle da narrativa dentro dessa estratégia só funciona com apoio popular. A transferência de reflexão de parte da sociedade para o governante faz com que essa parcela da sociedade não precise chegar, por conta própria, à conclusão alguma sobre a veracidade ou intensidade da “guerra” em questão. Ela deixa de funcionar quando fatos inesperados surgem, tornando impossível a percepção popular sobre erros cometidos pelo governo que não poderiam, de forma alguma, ter origem na oposição ou no “inimigo”. Por mais que a negação de um problema inesperado seja a estratégia imediata — até mesmo como autodefesa–, ela não se sustenta caso esse fato inesperado e negativo se torne desproporcional perante outros temas e atinja em cheio os resultados positivos conquistados anteriormente pelo governo.

Artigo publicado originalmente na Gazeta do Povo

Artigo anteriorUber corta 14% da sua força de trabalho no mundo por conta da pandemia
Próximo artigoConstrução civil tem inflação de 0,25% em abril
Thiago de Aragão e sociólogo, Mestre em Relações Internacionais pela Universidade Johns Hopkins, Pesquisador Associado do Instituto Frances de Relações Internacionais e Estratégicas e Diretor de Estrategia da Arko Advice. Nos últimos anos, Thiago liderou projetos estratégicos para vários clientes nacionais e internacionais. Ao longo dos últimos anos, palestrou em vários países, por meio de convites de governos, universidades e fóruns. Recebeu em 2013 a medalha de honra ao mérito do Governador-Geral do Canada e em 2016 foi escolhido como Jovem Liderança do Ano pelo Governo da Franca.