Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

A Comissão de Ética Pública da Presidência da República decidiu nesta terça-feira (18), por 4 votos a 2, pelo arquivamento sem apuração da denúncia sobre possível conflito de interesses entre o chefe da Secretaria Especial de Comunicação Social, Fabio Wajngarten e as empresas contratadas pelo órgão.

A Polícia Federal abriu um inquérito contra Wajngarten para investigar possíveis práticas de corrupção e peculato, mas a maioria do colegiado autorizou a permanência do secretário, que é sócio majoritário da FW Comunicação (95% de participação), que recebe recursos de TVs e agências de publicidades contratadas pela Secom.

Segundo a Folha, a decisão do colegiado, na prática, autoriza o secretário a manter negócios com os fornecedores da Secom e outros órgãos associados ao Executivo. A justificativa do presidente da comissão é que Wajngarten não exerce mais cargo de gestão na empresa e que, por isso, é possível manter seu cargo público e participação na FW Comunicação.

Compartilhe