Foto: José Cruz/Agência Brasil

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Gustavo Montezano, contou, nessa quarta-feira (29), que a auditoria externa contratada para investigar contratos do banco com o Grupo J&F conseguiu localizar oito operações que, somadas, e em valores atualizados, dão um total de R$ 21,2 bilhões, valor este que se aproxima do que o BNDES disponibilizou a grandes empresas em 2019.

Essa foi a primeira vez que Montezano veio a público falar do pagamento de R$ 48 milhões para a investigação externa de apuração de irregularidades em operações com as empresas JBS, grupo Bertin e Eldorado Brasil Celulose, realizadas entre 2005 e 2018. A investigação foi conduzida pelo escritório Levy & Salomão, que era subcontratado do Cleary Gottlieb Steen & Hamilton LLP.

Montezano, entretanto, não confirmou as cifras – disse que o valor real foi de R$ 42,666 milhões e que a diferença se deve aos pagamentos em dólar passarem a ser convertido no câmbio do dia do repasse, além de que as investigações visavam tão somente apurar evidências de violação das leis  anticorrupção tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos, por indicação do auditor independente do banco, a KPMG, que acompanhou de perto as investigações.

Compartilhe